Páginas

segunda-feira, maio 01, 2006

Hoje quero escrever sobre a dificuldade em escolher entre o idealismo e a alienação.
Nosso mundo oferece uma incrível complexidade: Estados que não cobram impostos dos ricos, e por isso são deficientes em quase tudo (900 milhões de isenção fiscal foi o que uma grande empresa do rs ganhou); com isso nossa vida se torna cada vez mais privatizada, precisamos trabalhar mais; além disso, há um excesso de informações que vem de redes globais de notícia e entreteniumento- a bolsa, o terremoto, o Rio de Janeiro, o diabo a quatro. Precisamos abarcar tudo isso na nossa explicação do mundo, e nem sempre funciona.

Sinto então que a maioria das pessoas opta pela alienação: ou seja, se preocupam com saber aquilo que pode lhes trazer agora um proveito pragmático. Ou por outra: é tão difícil achar o fio de Ariadne que optamos pela renúncia ao coletivo. De certa forma desse modo vivemos nossas lutas individualmente, contra poderes bem organizados. Então surgem aqueles tipos tão comuns: a classe média que só fala em como ela subiu na vida, o empresário que odeia o mst e adora o "bigmic".

Por outro lado o idealismo desfocado acaba numa luta abstrata contra o "sistema", evitando os pontos de convergência onde, através de diálogo e paciência, se poderia avançar. Isso não significa abstrair da compreensão, mas significa que as pessoas precisam de resultados imediatos e só ações efetivas podem criar essas condições. Como se comenta: milhares de teses foram feitas sobre os indígenas e eles continuam passando fome. Uma ação deve trazer efeitos práticos- deve levar em conta a compreensão das pessoas e sua possibilidade de revertar a situação.

Por outro lado é real que muito do idealismo significa outra coisa (desejo de reconhecimento mal canalizado, medo, etc.) assim como ambição e materialismo significam também outras coisas.
Bem, temos e aprender a não abrir não do outro, nem perdermo-nos de nossos objetivos. E entre marxismos petrificados e neoliberalismo efervescente, nem sempre é fácil saber o que queremos porque não sabemos quem somos.

ajr

Um comentário:

Anônimo disse...

Nice colors. Keep up the good work. thnx!
»