Páginas

sábado, maio 28, 2016

imbróglio

montanha e fogo observam testemunho do silencioso acordo
doutrinação análises e minutas credibilidade destruída
drinques, conversa após o jantar e relações públicas
professores apressam produção os promotores apoiam a vingança
faces de medusa juízes penas em sangue discursos
vento congela o pensamento círculo de judas no Parlamento
embaixador conspira campanha nos jornais
cunho da injustiça atmosfera sombria o engenheiro e o self-made-man
em coquetel com o jornalista questionam o valor da fantasia
"alguma máquina a substituiria" fúrias de plástico cinzento canto
o sacrifício a terra lembra do front jovem em uniforme
em passada era em que se cantava 'o trigo vem do suor do povo'
o relógio tem vergonha forças sinistras regem o minuto
monarquia espreita a república o tempo do coração escondido
a inocente a quem se acusa os segredos de gabinete
a crença coletiva na ira os métodos de imbróglio semântico
montanha e fogo observam resiste o chicote em punho um fio
de esperança correspondente em guerra fria o grito vem do canto novo

Afonso Lima





sexta-feira, maio 27, 2016

A intelectualidade no mundo segmentado - micro-ensaio sobre conceitos

Faz tempo que me incomoda a fala de "especialistas" (da TV, do livro) que parecem isolados do tecido social e repetindo mantras para proprietários e intelectuais autocentrados. 



Edgar de Decca diz em entrevista (Univesp TV) que "o projeto de um partido não é o projeto da nação" e chama o PT de "populista", vendo a história depois da Segunda Guerra como uma lenta "emancipação da sociedade civil do Estado". O trauma do totalitarismo faz com que a ideia de neoliberalismo seja uma "bobagem"?


O termo populismo tem sido usado recorrentemente na mídia para classificar a era PT. Na historiografia geralmente significa a manipulação do povo, promessas que não são cumpridas, mas que geram apoio popular, etc. Seria preciso diferenciar cada caso e lugar.


Getúlio Vargas é sempre o ditador, aquele que seguiu o fascismo. Ora, o fascismo italiano e o nazismo surgem também de uma ânsia de industriais pelo controle do comunismo. O caso brasileiro fica inexplicável como "fascismo" que fortalece a sociedade civil através da educação e do fortalecimento de uma distribuição de funções numa sociedade urbana, na qual o poder central não se identifica automaticamente com as oligarquias. O Parlamento oligárquico da República Velha era autoritário por representar a elite num processo de repressão e precarização do trabalho. Foi um trauma as elites paulista e mineira perderem a direção do Brasil. 

Diz o sociólogo Jessé Souza: 

"Essa coisa de o brasileiro ser inferior tem um lugar específico entre nós desde Sérgio Buarque: o Estado. É a tal tese do patrimonialismo. Há uma elite que, só no Estado, rouba a sociedade como um todo, como diz Raymundo Faoro. Então se cria um conflito artificial." 


http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/10/politica/1447193346_169410.html 

A massa é também tema de jornalistas conservadores. A questão do pagamento da dívida social não entra no cálculo. A vida diária é apenas um entrave ao superávit, medida "eleitoreira" para estancar uma "queda de intenções da voto", como diria o editorial do Estadão de 02/05/2014. 

Vejamos o caso da Grécia, segundo Krugman: " ...realizou diversos cortes no gasto público e aumentou a arrecadação fiscal. Os empregos públicos foram reduzidos em mais de 25% ...a economia grega desabou, muito por causa dessas importantes medidas de austeridade, que afetaram demais a arrecadação." 

http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Grecia-no-limite/6/33876 


Críticos à esquerda, como quem divulgou o termo "lulismo", sinalizando o apoio dos mais excluídos ao PT e o afastamento da classe média, parecem esquecer a conjuntura desfavorável que partidos de esquerda têm em países com imensa desigualdade de patrimônio e renda, no qual o marketing político criou coronelismos urbanos e o Legislativo pouco representa os avanços da sociedade. O controle ideológico neoliberal no mundo. A "massa" pode pensar que resultados seu voto gerou? A classe média "à esquerda" pode estar sonhando com socialismo livresco na terra do especulador/latifundiário? 

Ao mesmo tempo, falou-se do "fascismo do consumo" mais do que do fascismo real e diário da máquina parlamentar e a pressão do mercado financeiro e industriais-rentistas (os ajustes de Dilma são apenas traição, sendo que diariamente a inflação e os gastos eram jogados na cara do governo exigindo juros mais altos e "responsabilidade fiscal"). Assim, o valor de uso do intelectual, o pensamento crítico, exige que se ilumine o mundo político, ainda que as pressões e distorções da realidade sejam esfumaçadas:

"Isso deu uma chance à esquerda que não foi aproveitada: houve um momento em que setores que sempre votaram com os conservadores, e estiveram sempre sob sua sombra, estavam, digamos, acessíveis para uma visão mais à esquerda. O que não foi aproveitado, não houve a politização que poderia ter havido"...

http://outraspalavras.net/outrasmidias/destaque-outras-midias/andre-singer-ve-o-momento-mais-dificil-do-lulismo/

"A sociedade começa a questionar se um projeto de partido pode representar a sociedade inteira" - o que de Decca está falando? Os partidos devem ter sido expulsos das manifestações não por um fortalecimento da consciência, mas por uma revolta criada por monopólios e pouco entendimento da estrutura do sistema. "A multidão na rua dia 15 de março... é uma sociedade que defende direitos da democracia". "O populismo está em crise já que Lula está fora da política"... "Milhares de pessoas na rua não é golpismo". Que distância da real destruição da consciência pública promovida por monopólio de fala, educação espacializada ou sucateada e uso da máquina judiciária para criminalizar um partido de esquerda. Se o PT diz ser "herdeiro de Getúlio" é justamente por não se aliar a um projeto extrativista entreguista no qual as elites vendem nossos recursos e gerenciam as revoltas. 

A força surge de grupos ligados ao fato e ao ato: terras, casas, escolas, etc. O Parlamento é um baixo-clero sem ideologia. O fundamentalismo cristão, nascido de uma falta de educação política, leva uma multidão em marcha do moral ao político e de volta ao moral. 

Após o golpe parlamentar, a imposição de um projeto de ajuste antissocial e a ameaça aos direitos humanos revelou o peso dessa herança autoritária maldita da cocentração econômica, mas também da intelectualidade perdida em generalidades e falta de enraizamento real. Com o golpe, o projeto ultra-liberal em que o mercado cuida da Previdência, Saúde e Educação será implementado com 2/3 dos votos do Congresso. Colonização como projeto norte-americano de sociedade de castas com liberdade para corporações e capital.

Para lembrar Adorno, sem aplainar a realidade fraturada, o ensaio pode acabar sem respostas.

Afonso Lima








Leia Mais:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,populismo-corrosivo-imp-,11612Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no TwitterLeia Mais:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,populismo-corrosivo-imp-,1161267
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter
Leia Mais:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,populismo-corrosivo-imp-,1161267
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter
Leia Mais:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,populismo-corrosivo-imp-,1161267
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter

domingo, maio 15, 2016

Governo ilegítimo: 3 dias de medo

As aparências revelam. Acabou o Ministério da Cultura, pessoas apanharam ao resistir, o Ministério das Relações Exteriores fica furioso com países que rejeitam o golpe, não há uma mulher ou um negro nesse ministério não eleito, com programa claramente reacionário.

Em 2002, chamei de bio-poder-midiático corporativo esse poder que não apenas influencia, em debate com outras ideias, mas gera vida - e, portanto, um fanatismo que, mais ou menos como a pior face do stalinismo, fecha o indivíduo a qualquer reconhecimento de outras narrativas. Esse fechamento é espelho do fechamento da elite, por exemplo, do Congresso com relação à vontade das ruas, evidenciando como a classe política usou os anos Lula-Dilma para chantagear, defender a si mesma e evitar avanços.

Senão, vejamos: volta a "autonomia do Banco Central, tão cara aos economistas e rentistas:

"- ...o COPOM não elevou a SELIC. E passaram a chover artigos, opiniões, entrevistas e manifestos voltando a clamar pela independência do BC."

http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/A-respeito-da-independencia-do-Banco-Central/7/35387

Estamos assistindo à desmoralização de ideais de igualdade e direitos humanos, à perseguição com boatos judiciais e manchetes de líderes das minorias, até mesmo à censura econômica dos blogs - para voltarmos ao pensamento único de 1990. O Brasil mudou, se há o branco-nível-superior-50 anos (e seus filhos) com mentalidade impenetrável, o que torna diálogo impossível, porque sua racionalidade se perverteu, e a negação é a única saída democrática, há uma complexa rede de grupos jovens, de mulheres, negros, LGBT e classe média "liberal", horrorizada com a "tempestade no deserto" do governo. Por outro lado é preocupante que, esperando a lei de regulamentação dos monopólios desde 1988, nossas corporações de comunicação tenham ajudado a criar um clima totalitário, no qual uma população privilegiada está infantilizada e fanática, acusando toda crítica de "propaganda petista".

Ao mesmo tempo, a imprensa e "social-democratas" tentam salvar as aparências, frente à reação de choque ao novo patriarcado autoritário, dizendo que tudo foi legítimo, e não um sinal de " a gente faz o que quer". É claro que, se houve golpe, foi porque a sociedade é conservadora, destruída culturalmente pela miséria da educação da ditadura e neoliberalismo, pela repressão da geração 68, empobrecida pela midiocracia de 5 famílias, que doutrina com a simplificação de que a crise foi culpa da "incompetência do executivo" e não também da China e do Congresso paralisado por motivos políticos. A privatização, o fim dos direitos trabalhistas e ataque aos direitos humanos devem ser festejados porque salvam "a economia". Uma alta burguesia pode ter preferido mesmo a crise para tirar essa presidenta que faz questão de manter salários altos. As medidas iniciais do governo usurpador sinalizam claramente para uma repressão policial e anuncio de redução de gastos na TV pública (TV Brasil) e até mesmo uma página no Facebook que virou alvo dos conservadores por permitir denúncias de homofobia, racismo e misoginia foi tirada do ar. O novo Ministro da Educação afirmou que "a ideologia de gênero acabou".

As forças que emergem claramente agora, evangélicos fundamentalistas, judiciário conservador, mídia autoritária, políticos biônicos do capital, lembram muito o período de Bush nos EUA, quando o mundo corporativo e o fanatismo messiânico pretenderam tomar o atalho, perderam o pudor, se uniram para eleger um presidente sem voto e até mesmo criar uma guerra que era um bom negócio para todos. Mas, diferente daqui, as elites não tinham todas a mesma mentalidade arcaica (ou seja, instituições de lei e discurso não aderiram) e foi impossível ver a democracia e os direitos humanos apenas como "problemas". A diferença entre conviver com ilhas de fundamentalismo e tê-las como líderes da nação. Enquanto a alta burguesia festeja, a baixa burguesia espera otimista, achando que um governo "liberal" vai acabar com a crise. Mas é o liberalismo- coronel. Enquanto isso, a doutrinação do jornalismo tóxico continua a pregar a ideologia do egoísmo e as maravilhas da privatização, enquanto a autoridade ilegal reduz espaços de pensamento, como o Minc, e as escolas públicas são caso de polícia. Qual a primeira medida de Lula em 2003? Criar o Fome Zero. Michel Temer, em 1992, era da Segurança Pública de SP e "foi a época de melhor coexistência pacífica entre jogo do bicho e cassinos clandestinos e o alto comando da polícia". (Dória, Honoráveis Bandidos, Geração). Essa é pra você que achava que Noam Chomsky exagerava.

Afirma Pedro Bastos, no site Carta Maior: "Em suma, o crime perfeito da reforma política proposta por Temer é “alinhar” melhor dois dos poderes e, se possível, todos os três. Assim, em conjunto com o Quarto Poder, será mais fácil legalizar o que é ilegal."
http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Quais-os-objetivos-politicos-do-golpe-/4/35966

Em um pais tão desigual, o fundo do poço é a nova luz.

Afonso Lima http://www.theguardian.com/film/2016/may/17/brazil-is-not-a-democracy-aquarius-premiere-cannes-red-carpet-protest http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-protesto-de-cannes-consagra-a-narrativa-mundialmente-vitoriosa-e-golpe-por-paulo-nogueira/ https://www.youtube.com/watch?v=rJyVYkREWTs

Prezada Sra X

Agradeço seu contato. No entanto, infelizmente, não tenho como aceitar seu convite. Ao fazer isso, junto-me a diversos colegas meus que se recusam a conceder entrevistas a essa emissora, dada sua longa e lamentável trajetória de desinformação e interferência na vida política do país. No que se refere à nossa conjuntura recente e atual, o incitamento à intolerância e a parcialidade descarada e muitas vezes mentirosa só fizeram reafirmar aquele triste histórico.
Atenciosamente,
Luis Ferla
Depto. História/UNIFESP
http://www.revistaforum.com.br/2016/05/18/professora-explica-a-produtora-da-globo-por-que-nao-da-entrevista-a-emissora/

sábado, maio 14, 2016

novos tempos

ele sairá de casa
e o mundo
os companheiros estão sob vigilância
nada de um tempo de enigma
um pasto largo mas novafala
lá ao longe vidro brilha um facho de luz
vai pousar marchas em frente ao lado
ele enfrentará o tumulto
ele tenta entender
ele segue o fio da história
para um antes e depois
com as pessoas
essas pessoas tão inesperadas tão novas
seja o que você quiser
e será lindo

Afonso Lima

quarta-feira, maio 11, 2016

A democracia acabou no Brasil - Novo Golpe Velho

‘(quando você arrumar a política) obviamente tem gente que vai sofrer’ (Ricardo Paes de Barros)


No Brasil, saímos de uma situação em que a classe média é pequena, mas crescente, nos anos 50 e 60 e a educação se amplia, para um golpe militar que restringiu a comunicação e pregou durante 20 anos o medo ao comunismo, criando um estado policial que via a pobreza como uma questão de segurança e não um problema a resolver. O resultado disso, aliado à visão da educação como parte de mercado, nos anos 90, é que nossa população tem pouca formação política, principalmente na hora de escolher o legislativo.

Nossas instituições são pouco democráticas, ou seja, estão expostas aos fortes controles de minorias (conservadoras) - 0,9% dos brasileiros detêm 60% da riqueza. (ceert.org.br). Nós ampliamos a participação, com conselhos e leis, mas nossa casta privilegiada ainda tem a voz (mídia), a lei (Justiça) e o parlamento. Muito foi dito sobre como o PT negociou cargos, mas não há como governar num país dominado por velhas oligarquias. 


O jogo é simples - trocar o capitalismo de consenso pelo capitalismo de controle, apostando 100% na formatação de consciências pelo bio-poder-midiático-corporativo, investindo em repressão e judicialização da divergência, apostando no coronelismo urbano que sucateia universidades e escolas e desmoraliza reflexões no jornal. Idade das trevas da demo-cracia de mercado, ignorância lidera: evangelismo fundamentalismo, revolta anticomunista proto-fascista de jovens ricos alienados e empresários que odeiam e temem os pobres - Bush disse em 2002 que "comunismo, fascismo e nazismo, assim como o terrorismo, buscam controlar a vida". É o Estado-empresa-mercado-financeiro.

Os lucros da criminosa venda das privatizações, por exemplo, assim como a total transformação da vida em comércio e o salário irrisório, são um convite à ambição de uma elite que se apoia mais em especulação do que em produção. A recessão da época de FHC mostra que desemprego é aceito nesse mundo no qual pagar o FMI e ter dívida pública fazem parte de um sistema de desinvestimento. Esse sistema faz com que mesmo o político bem intencionado não tenha recursos, e o mal intencionado gaste em obras faraônicas para seus doadores de campanha. 

Parece que, em um país que, em 1940, tinha 56,2% de analfabetos (na Argentina - 15%), a população tem dificuldade de organizar-se para influir no Estado. Através das profundas crises de governos autoritários (como entre 1994-2002), a conscientização surge. Nessa nova era das trevas, o passado será um parâmetro - "a renda dos 50% mais pobres no Brasil cresceu 67,93% ao longo da última década (dezembro de 2000 a dezembro de 2010), enquanto a renda dos 10% mais ricos teve incremento de 10,03%.
"É como se os pobres estivessem num país que cresce como a China, enquanto os mais ricos estão em um país relativamente estagnado", compara Neri."


http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/05/110503_desigualdade_br_jc_rc.shtml



Entre as pessoas de maior poder aquisitivo, ouço coisas como "precisamos acabar com o comunismo no Brasil" (Lula) ou "Bolsa Família até morto ganha". É que a democracia e a justiça social ainda não fazem parte do cidadão médio civilizado. Ou o economês domina: "Quem vai pagar essa conta?" Mas o pior mesmo é que, se o mercado financeiro despreza até o desenvolvimentismo, a classe alta não se importa de ter prejuízos (por exemplo, com um Congresso parado) - prevalece a luta e preconceito de classes. E o Príncipe do Mal de plantão pode ser aliado do Império do Mal Imperialista. 
As pessoas ficaram chocadas com as falas dos Congressistas ao aprovarem o prosseguimento do processo enviando-o para o Senado. Fica claro que os poderes funcionam para si mesmos e a "venda de cargos" - quando o PT foi desacreditado pela campanha midiática sobre corrupção - pode prescindir de intermediários. Não ter debate é o melhor caminho.
Assisto um pouco dos senadores defendendo seu voto. Nada a ver com o caso específico. É uma vingança de partidos de oposição. Retomam o mesmo ato impossível de ser visto como crime. Mas estão na TV, sabem que tem de parecer lógicos. Medo desse processo frio de ilegalidade. 


A gente dá o golpe, depois vê como fica... Nós somos "as pessoas que se sentam na escuridão" a quem a Civilização Imperial-Entreguista tem de trazer alguma coisa, embrulhada em corporações, privatizações e salários baixos, pode ser a liberdade, mas agora que o comunismo acabou... pode ser a "luta contra a corrupção", "mais empregos" e "consenso no Congresso".


PS: Golpe consumado. A mídia prepara e silencia; o judiciário criminaliza e defende; os velhos poderes eleitos pelo grande capital fingem representação e fazem o que querem na Câmara, no Senado e, agora, no Executivo. A classe média tem de passar o creme melhor-pior para esconder que, novamente, apoiou o crime porque foi convencida de que isso melhora a "economia". Porque "economia" significa apenas não pagar imposto e salários miseráveis. 


Mas não poderia deixar de dizer que, paradoxalmente, senti uma politização imensa - apesar de existir uma classe média que acha a assistência um crime, ela, que recebeu bolsa família a vida toda...Eu fico pasmo de ver como a juventude respondeu rápido - as pessoas se organizaram e denunciaram o golpe. Há esperança, ainda mais depois que os neoliberais requentados começarem sua criminosa austeridade geral e irrestrita.


Afonso Lima


Um beijo pra quem votou no PSDB, PP, PSD, PR, PSB, DEM, PRB, SD, PSC, Pros, PPS, PHS, PEN, PMN, PTN, PRP, PTC, PSDC, PRTB, PSL...


- Por outro lado, deve crescer o número de parlamentares ligados à polícia, que passa para 55, um aumento de 30% .Até o momento, o órgão já identificou 82 deputados, dez a menos que na legislatura anterior, que irão fazer parte da bancada evangélica, contrária ao aborto, mas o número deve aumentar, já que a análise preliminar só inclui os que tem “pastor” no nome ou se declaram abertamente evangélicos.


E a Frente Parlamentar da Agropecuária, que busca um recrudescimento dos direitos indígenas previstos na Constituição também aumentará de 191 a 257 representantes.


http://brasil.elpais.com/brasil/2014/10/08/politica/1412729853_844912.html


Salva eu - MPF golpista? - Janot defende que STF derrube liminar que obrigou abertura de impeachment contra Temer


"Apesar da determinação do ministro ter sido feita há mais de um mês, o efeito político ainda não foi visto no Congresso Nacional. Isso porque boa parte dos partidos não fez as indicações dos membros que deveriam compor a comissão especial de impeachment contra Temer. No caso de Dilma, as sugestões foram feitas em menos de um dia." (E)

http://jornalggn.com.br/noticia/janot-defende-que-liminar-sobre-impeachment-de-temer-seja-derrubada-pelo-stf

Lembra? - Temer + Zelada - "..Que o PMDB da Câmara condicionou a aprovação da CMPF a eles indicarem o diretor da Diretoria Internacional... Que, no entanto, o nome de João Rezende foi vetado por Dilma Rousseff (então ministra Chefe da Casa Civil), em razão de ele ter problema no Tribunal de Contas; Que João Henriques indicou Jorge Zelada; Que Jorge Zelada foi chancelado por Michel Temer e a bancada do PMDB na Câmara”. - Uma das contas no exterior atribuídas ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), tem ligação com o ex-diretor Internacional da Petrobras Jorge Zelada, preso na Lava Jato e condenado em 1ª instância por corrupção e lavagem

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/187238/Lava-Jato-prende-mais-um-ex-Petrobras-Jorge-Zelada.htm

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-03/delcidio-afirma-que-temer-chancelou-indicacao-de-ex-diretores-da-petrobras




- Insatisfação genérica com a situação econômica, aumento do desemprego e arrocho salarial são as maiores críticas ao governo entre aqueles que classificam como ruim a administração de Fernando (Folha - 1996)


- O salário mínimo é um importante instrumento de distribuição de renda, porém, em oito anos, ele foi reajustado em apenas R$ 50,00; em 1995 o mínimo era de R$ 150,00 e hoje atinge apenas R$ 200,00. (RSJ)


- os países que mais sofreram com as crises econômicas da década de 1990 – como México, Rússia, Brasil, Argentina e Sudoeste Asiático – foram justamente os que adotaram as diretrizes do “Consenso de Washington”, o documento referência desta orientação econõmica, lançado em 1989 e que, apesar de superado, baliza ainda hoje o programa de governo de Aécio Neves. (CC)

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/7/04/brasil/13.html

- http://www.social.org.br/relatorio2002/relatorio025.htm

http://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPolitica%2F9-diferencas-entre-os-modelos-economicos-do-PSDB-e-do-PT%2F4%2F31999

O último impedimento - TINHA CRIME!

- As denúncias de corrupção surgiram em 1991, quando o irmão do presidente, Pedro Collor, acusou-o de manter ligações ilícitas com o empresário Paulo César Farias, tesoureiro da campanha presidencial. Segundo Pedro Collor, PC Farias articulava um esquema de corrupção e tráfico de influência, o loteamento de cargos públicos e a cobrança de propina dentro do governo.
O Congresso Nacional investigou as denúncias por meio de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) presidida pelo deputado Benito Gama (PFL-BA) e tendo como relator o senador Amir Lando (PMDB-RO). A chamada "CPI do PC" apresentou seu relatório final em 26 de agosto de 1991, e concluiu que o presidente da República e seus familiares tiveram despesas pessoais pagas pelo dinheiro recolhido ilegalmente pelo chamado "esquema PC", que teria distribuído tais recursos por meio de uma rede de laranjas e de contas fantasmas. Um pedido de impeachment foi formulado e julgado procedente em 29 de setembro.

http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2007/03/15/plano-collor-abertura-de-mercados-e-impeachment-marcaram-primeiro-governo-eleito-apos-o-regime-militar


https://www.youtube.com/watch?v=OcOZ2dDW8xU

A Nova Fronteira é tão Velha República - "O governo do PSDB não respeitava os representantes dos trabalhadores, não negociava. E ainda havia o desemprego, altíssimo, a desmobilizar a luta da categoria”, recorda a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira.

“São Paulo e os paulistas, por exemplo, perderam um grande patrimônio. O Banespa, um dos maiores bancos públicos do país, foi vendido ao Santander por muito menos do que valia (foto). A Nossa Caixa, última instituição estadual paulista, quase teve o mesmo destino, não fosse a intervenção do Banco do Brasil, que fez a fusão, mantendo-a como empresa pública. O Brasil e os brasileiros já perderam muito com esse modelo neoliberal de governar. Retrocesso que não podemos permitir”, reforça Juvandia.

- See more at: http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=9230#sthash.mN731pbx.dpuf

- Senado que vota impeachment é a cara de Renan -

Homem branco, patrimônio na casa dos milhões de reais, tradição política de família, de partido de centro e carreira política longa – por vezes marcada por suspeitas. Eis o perfil da Casa que decidirá amanhã o futuro do governo Dilma

- Os mais ricos

Tasso Jereissati (PSDB-CE) – R$ 389 milhões


Blairo Maggi (PR-MT) – R$ 152,4 milhões


Eunício Oliveira (PMDB-CE) – R$ 99 milhões


Eduardo Braga (PMDB-AM) – R$ 27,2 milhões


Fernando Collor (PTB-AL) – R$ 20,3 milhões
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/senado-que-vota-impeachment-e-a-cara-de-renan/


- Os custos para a manutenção dos salários e benefícios atrelados aos deputados e senadores já passam de R$ 1 bilhão por ano. Por ano, R$ 164,8 milhões pelos 81 senadores. (CF)

- Senado prepara aumento de 21% para servidor efetivo

O texto prevê impacto financeiro extra de R$ 174,6 milhões apenas no próximo ano. A apresentação do projeto vai na contramão dos esforços de contenção de gastos do governo frente à crise econômica (CF)

http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/%E2%80%9Cvice%E2%80%9D-de-temer-renan-e-alvo-de-11-inqueritos/
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/um-terco-do-senado-responde-a-acusacao-criminal/
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/deputado-e-senador-custam-mais-de-r-1-bi-por-ano/

Uma geração inteira vai conhecer o que é governo contra o povo - 10% dos brasileiros passavam fome - agora, as crianças comem frutas...


WB - Bolsa Família: Changing the Lives of Millions in Brazil - The Bolsa Família Program, which has technical and financial support from the World Bank, is cited as one of the key factors behind the positive social outcomes achieved by Brazil in recent years.

The Program is an innovative social initiative taken by the Brazilian Government. It reaches 11 million families, more than 46 million people, a major portion of the country’s low-income population. The model emerged in Brazil more than a decade ago and has been refined since then


http://web.worldbank.org/WBSITE/EXTERNAL/NEWS/0,,contentMDK:21447054~pagePK:64257043~piPK:437376~theSitePK:4607,00.html


https://www.youtube.com/watch?v=izOzd5whXgY


Tese interessante - No manual da Guerra Híbrida, a percepção da influência de uma vasta “classe média não-engajada” é essencial para chegar ao sucesso, de forma que esses não-engajados tornem-se, mais cedo ou mais tarde, contrários a seus líderes políticos.

O processo inclui tudo, de “apoio à insurgência” (como na Síria) a “ampliação do descontentamento por meio de propaganda e esforços políticos e psicológicos para desacreditar o governo” (como no Brasil). E conforme cresce a insurreição, cresce também a “intensificação da propaganda; e a preparação psicológica da população para a rebelião.” Esse, em resumo, tem sido o caso brasileiro.


http://outraspalavras.net/brasil/o-brasil-no-epicentro-da-guerra-hibrida/


"Golpe brasileiro ameaça democracia" - Seria mais uma coisa lamentável se o Brasil perdesse boa parte de sua soberania nacional, além de sua democracia, com este golpe sórdido.

- The impeachment campaign — which the government has correctly labelled a coup — is an effort by Brazil’s traditional elite to obtain by other means what they have not been able to win at the ballot box for the past 12 years.

The U.S. government has been quiet about this coup attempt but there is little doubt here about where it stands. It has always supported coups against left governments in the hemisphere, including — in just the 21st century — Paraguay in 2012, Haiti in 2011 and 2004, Honduras in 2009, and Venezuela in 2002.


http://www.huffingtonpost.com/mark-weisbrot/brazilian-coup-threatens_b_9694928.html


- Do total de 80 senadores que participarão da votação (Delcídio Amaral foi cassado nesta terça-feira, 10), 47 são suspeitos ou acusados de crimes que vão desde falsidade ideológica até abuso de poder econômico - o que equivale a quase 60%. Treze deles podem ter ligação com casos de corrupção investigados na Operação Lava Jato. E entre os 68 oradores que vão debater o tema no Senado nesta quarta-feira, 40 são suspeitos ou acusados de crimes.

hhttp://noticias.terra.com.br/brasil/politica/impeachment/quase-60-dos-senadores-que-julgam-dilma-sao-alvo-da-justica,cfbab963c3c9ea620c15b2ebf225db37tut2c8qu.html


Hoje, esta destemida e combativa Presidenta Dilma Rousseff é novamente submetida a julgamento, desta vez em um colegiado que teria por obrigação defender o substrato da sua própria existência – a democracia -, mas que se revela a um só tempo, desprovido da necessária serenidade e tomado por uma maioria de ocasião, transformando-se , portanto, num colégio eleitoral de excessão, cujo objetivo é retirar a presidente legitimamente eleita e colocar em seu lugar um presidente sem voto.

http://www.vermelho.org.br/noticia/280728-1







terça-feira, maio 10, 2016

ar de vidro

Tempo de produção de verdade
ou tempo de submissão
hoje a festa é sua e eu quero saber o que não sei
com os outros apenas se comigo
mal estar do milagre legislado e corrupto
tempo da pedra na água
o tempo de uma estrela
cavalgo num verde descolorido
homens de verdade não usam relógio
reinos ritos dias de festa em suspensão
meus pés no correr dessa transparência
cumprindo o milagre com seu vazio e concretude
o politeísta em mim ouve vozes particulares
o tempo que me diga o que sou
estar distraído e portanto ativo
deixei tudo busco nada e sou encontrado
cautela no tempo em que a casa chega ao término
meu comércio com as coisas é rico e incerto
tempo de compreensão limpar a poeira do mito
produto interno de vozes em jornais
noite na city escavar o subsolo
a terra envenenada o rude metro
um plano de guerra conglomerados comandam
submissão ao senhor batalha política na TV
o animal do nada onde tudo inominado
a fala interrompida pela aurora que alcança
meu espelho não tem imagem porque vi o tecido fino do mundo
entro em outros tempos e me sirvo de delícias estrangeiras
árvores nuvens morros a irrealidade
silêncio de passos desutilizados
saberás a expansão luminosa do éter e o que nele é signo
vazio que acolhe o átomo canção de noite
tempo de amanhecer um outro
o tempo que ainda não é o tempo de rosa


Afonso Lima



Origami

Não é anjo, mas corta o mal. As mães são do movimento contra o sistema. Acredita até com prova em contrário. Mãe é impermeável à ironia. Vou te dar um origami de rosa pra não ser sentimental. Mãe é duas mulheres sem rivalidade. Dois homens em silêncio. Braço cansado no sono. Janela, fresta, o povo resiste. A mãe de Aquiles lambia a cria. Mãe não é só comércio. Minha flor é esse verso.

Afonso Lima

domingo, maio 08, 2016

Quididade

o negro morreu o negro chegou para a aula da universidade o negro comprou um sanduíche no Habbib´s o negro foi ao teatro o negro desceu na estação Paulista o negro leu Charles Dickens o negro colocou uma lata no lixo o negro deu pipoca para o cisne o negro compra uma moto o negro abriu a porta da geladeira o negro come batata frita o negro ganhou o prêmio o negro beijou a namorada o negro leu um poema o negro encomendou um bolo para o casamento o negro acessou a internet num café o negro fez aula de pintura o negro formou-se engenheiro o negro disse o que pensa o negro parado pela polícia.

Afonso Lima


sábado, maio 07, 2016

música da dissensão

do que precisa o músculo do meu coração
minhas veias, o movimento involuntário e
as coisas que vivem em nós
o conforto quer meu pescoço
as pedras tortas sob o tênis
o céu sem cor e nuvento
os montes de armações cinzentas
estão impedidos de epifania pela lei da produção
querem dar a pergunta e a resposta
aquilo que busca aquilo que toca
aquilo que além aquilo que incompleta
querem que eu participe da mentira
o valor de uma coisa está em existir
em ser uma linguagem e um tempo
buscar uma verdade que não é minha
não faria bem ao mundo
o medo como arma de guerra
o dogma como incitamento ao ódio
resistimos à ocupação
estendendo o olhar
em reuniões com pássaros e pedras
na jornada não-heroica e não-ascética
tirando todas as cascas em eros com logos
o mito do isolamento aceleração relaxamento
de uma vida in_feliz e seca
o mundo eu estudo e o ouço em sua especificidade
a luz quando a face desnomeada e as coisas livres
transcendência é imanência
enganando o diabo a quem vendeu a alma
alegria do rio imóvel noite e compaixão da dança

Afonso Lima



quinta-feira, maio 05, 2016

O dia

O horizonte é cinzento
caminho por folhas secas
o que era arte está abandonado
mansão deserta não tenho tempo
para a solidariedade
somos aqueles que são produzidos
um pássaro negro grita na árvore
quem são esses homens donos do meu tempo
quem são esses sem antes
abro a memória da memória em busca de perguntas
quem são esses homens sem esperança
tão precisos, tão certeiros
seres das trevas
quem são esses sem dúvida ou piedade
que conduzem investigações
o comércio na Câmara dos Deputados
todo nosso movimento e cores
anulados no documento
no desprezo
a guerra me tira da cama
o processo de eliminar as provas
de outra ordem
o tempo dos invisíveis, nosso poder o arcaico
que perturba, nossa lei
são todas as coisas perdidas de si mesmas
que não tiveram tempo de crescer os momentos
de aflição soterrada nós temos os antigos
clássicos porque estranhos reconciliação de Oriente e Ocidente
no fundo do azul achamos
a atenção delicada, a lentidão, a insatisfação com
um mundo de coisas
o barulho das máquinas rompeu a noite
ao sonho eu imponho minha guerra de metáforas
o criador está na memória
comer o passado no canto do hoje
quero o tempo que se desdobra
a gratidão pelo que revela
a loucura do barco
mar noturno
minha memória é um abraço ao mundo

Afonso Lima

Bom dia, golpe!

O Brasil está enfrentando o ataque de políticas neoliberais de forma ilegítima, sem eleição. O complexo midiático-judiciário-congressional-empresarial não pensa em aplacar a desigualdade. 

O projeto previsto do PMDB foi derrotado na eleição e volta com força por meio de um afastamento sem crime da presidenta. 
A Justiça parece participar do golpe, através do juiz Sérgio Moro, e até do Procurador Geral, criando um clima de perseguição para paralisar a opinião pública. Mesmo sem motivo real, criam denúncias e "criminalizam a esquerda". 

O que houve, na realidade, é que conseguimos eleger um governo que, mesmo com acordos, por não ter maioria no Legislativo, avançou nas questões sociais - tivemos 6 milhões de escravizados e, em 2000, apenas 4, 4% da população tinha universidade (hoje, 7,9%). Mas não se conseguiu efetivos meios de controle social - Justiça conservadora, mídia monopolizada, mercado financeiro sem regulação...

Não fizemos na velocidade necessária a expansão da reflexão crítica sobre o passado: tanto em SP quanto no RS os deputados mais votados são quase fascistas.  

Nossa democracia não conseguiu se expandir porque o sistema político favorece a eleição de representantes do poder econômico. Ao nível local, isso fica muito claro. Em São Paulo, a Assembleia evita qualquer investigação do governo, o que levou estudantes que viram a merenda das escolas sofrer com desvios, ocuparem o local. 
A sensação é de que o poder estabelecido foi usurpado, não representa a população. Adeus, democracia. 

Nota da bancada do PT na Câmara"...É de se estranhar também a conduta do procurador-geral em relação ao vice-presidente da República, Michel Temer, citado na mesma delação que embasa a iniciativa contra o ex-presidente Lula. Também causa perplexidade o fato de que, apesar de diversas citações envolvendo a participação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em possíveis atos de corrupção, somente agora o procurador-geral pediu ao Supremo autorização para efetivamente investigá-lo.

A Bancada do PT na Câmara entende o ato de Janot como frágil juridicamente e o denuncia como demonstração de inaceitável seletividade em sua conduta, tendo em vista que estamos às vésperas da apreciação, pelo Senado, do pedido de abertura de processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Essa atitude do procurador-geral, com base em meras declarações de um delator, visa atingir a incontestável liderança política do ex-presidente Lula, principal opositor aos articuladores do golpe institucional em curso..." http://www.brasil247.com/

- A peça apresentada pelo Procurador-Geral da República indica apenas suposições e hipóteses sem qualquer valor de prova. Trata-se de uma antecipação de juízo, ofensiva e inaceitável, com base unicamente na palavra de um criminoso.
O ex-presidente Lula não participou nem direta nem indiretamente de qualquer dos fatos investigados na Operação Lavajato.
Nos últimos anos, Lula é alvo de verdadeira devassa. Suas atividades, palestras, viagens, contas bancarias, absolutamente tudo foi investigado, e nada foi encontrado de ilegal ou irregular.
Lula sempre colaborou com as autoridades no esclarecimento da verdade, inclusive prestando esclarecimentos à Procuradoria-Geral da República.
O ex-presidente Lula não deve e não teme investigações.
Assessoria de Imprensa do Instituto Lula


BBC Brasil - Na sua visão, o Ponte para o Futuro seria pior do que a política econômica do governo?
Roberto Requião - Seria um verdadeiro horror e é uma contradição com a história do PMDB.
Esse (Ponte para o Futuro) nem o FMI faria tão ruim. Nos coloca numa situação de primarização da economia.
BBC Brasil - Quais suas principais críticas em relação ao documento?
Roberto Requião - Ele não é para ser colocado num contexto de disputa eleitoral para o povo brasileiro. É para o mercado, para os banqueiros, porque ele teria uma rejeição absoluta no país.

- Enfim, apesar disso, o cenário pós consolidação do golpe no Senado é bastante preocupante. Por mais que a situação político-eleitoral recomende cautela, a sanha revanchista dos putschistas é de tamanha magnitude que não devemos nos surpreender com medidas anti-populares até mesmo antes de outubro. Basta lembrar que ali estão Aécio Neves, Aloysio Nunes Ferreira, José Serra, José Agripino, Tasso Jereissati, Marta Suplicy, Zezé Perrela e tantos outros.
Tendo em vista a necessidade de se legitimar politicamente perante as elites do financismo, o vice-presidente conspirador muito provavelmente comandará uma agenda conservadora. Fala-se em reforma administrativa, para dar continuidade à inexplicável iniciativa de Dilma nessa toada. Enfim, a velha e conhecida sinalização do “menos Estado”, tão ao gosto das editorias dos jornalões e da TV privada.
http://cartamaior.com.br/…


"A bancada ruralista entregou ao vice presidente Michel Temer uma série de reivindicações, entre elas a paralisação e revisão das demarcações de Terras Indígenas e a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Confira a seguir o artigo de Márcio Santilli, sócio fundador do ISA, sobre essas propostas"
https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-isa/o-plano-dos-ruralistas-para-detonar-o-brasil

quarta-feira, maio 04, 2016

narrando a noite

Agora é o tempo
o céu é o mesmo daqueles tempos estranhos
meu lar no alto da colina
eu o tranquei e sigo em frente
eu observo uma corte sem justiça
apago minha lâmpada
o saber foi possuído pela morte
voamos sem plano de voo
a criança corre pelo corredor
acreditando no calor que a salvará do pesadelo
a fraca luz de um brinquedo abandonado
olha para o céu, luz sem sombras
os adultos estão sentados como num julgamento
não juraram, a ânsia deles por uma faca
os sentidos confusos
um consolo miserável
de um fogo interior de fantasmas e ilusões
corre entre folhas e árvores
as flores e os frutos estão congelados
ela observa o abismo e voa um pássaro
talvez o mundo entre em mim e eu nele
aqueles dias de sol fotografados
queimados e sobra as pedras sob os pés
forças da vida evoca para a cura
restos de ontens e vozes ancestrais
além da norma dos coros dourados
produzindo para sobreviver
criando forma perdendo tudo
sigo em frente feliz por não entender

Afonso Lima