Páginas

domingo, junho 17, 2018

Whitby (english version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

He writes.

The scene of Faust in which Mephistopheles stands on a mountain surrounded by bats had been very laborious. The theater manager even dreams of it.

Lord Kevin arrived shortly in London and decided to go to the theater.

He had rather liked Macbeth at the Lyceum Theater.

He had spoken quickly to the Irishman who administered it. An interesting man. He had told about the dream.

A month later he decided to distract himself in Yorkshire and walked through the ruins of the Church of St. Mary.

The whole situation with the hysteria of contamination and Zola had knocked him down. He had met him in a small hotel in London, having fled as the crowd in the courtroom shouted, "Traitor! Go back to the Jews!"

He finds the man in the theater walking among the tombs. He takes notes.

Lord Kevin asks the Irish if he is afraid, if he likes supernatural stories.

He comments with him on the story of Lord Byron, about the dead soldier in Turkey who is promised return to life. Of course, he knows nothing about the lord, but his face expresses an inquisitive strangeness.

They meet every day.

He writes down a young sailor´s name, dead at age of twenty.
The Irishman says that he was always impressed by the story of the poet Dante Rossetti. He had buried the young wife with the manuscript of the poems dedicated to her. His friends convince him to open the tomb to publish the manuscript. The glory of the author came from there. They say that, opening the coffin a year later, the girl looked dazzling as if she were still alive.
The Lord tells him about a servant who also died very early.

"I met him when I was fifteen, in the dirty suburban streets. It was beautiful. I saw a prostitute kissing his neck. He was probably sick with syphilis. I shouted, "Get out! This man belongs to me." The woman ran away as if she had seen a ghost. In fact, I would have killed her if I had not fled. I clung to the boy, he practically lived in the castle, I feared that others would see him. He fell in love with a maid. Luckily, the girl fell ill and resigned, disappearing".

The man looks into Lord Kevin's eyes and has a shudder.

They had tea with the manager's wife and her daughter later. His wife was beautiful, but cold, had been courted by Oscar Wilde. They talked about the Lord's travels. She asked him:

"Is it true, sir, that in France, the radicals are beginning to demand control of the army by the Republican government?"

"Yes, the whole case is marking them as reactionary. I even saw a cleric on the street handing out pamphlets which read: "Your mother and sister have a barrier in you. You are the nation's defense against the infamy of the foreign invasion!" But ... It's the same everywhere. In Russia, Germany, and France here, everyone wants the energy of expansion and praises war as a purifying force.

The theater manager dreams.

He's being kissed by a woman.

- Get out! This man belongs to me.

Afonso Jr Ferreira de Lima

quinta-feira, junho 14, 2018

Diabolical gift (english version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

The downtown seemed deserted, with its old buildings and cobblestones. Some homeless people, a cartwright, security guards. They sat down and asked for coffee.
 "Thirty minutes waiting to get out of the bar, torrential rain. My umbrella had dismounted. The sidewalks were surrounded by rivers. I saw a mother jumping with a baby on her lap across the water. It was a full month of rain in ten minutes of a storm, "Momai was saying in a spurt.
- Dad, it's okay. Today we see this piece and that's it. I'm not hurt. I'm not a child anymore. Tell me about the case.
"I just hope your mother does not ..." she chuckled. "Okay. A mansion." A birthday party. Invasion. The men are trapped in the bathroom. The women, gagged, bandaged and raped collectively. Terrible.
"And you suspect it was nothing like that." Because of the poem of Lorca. Really, it's weird that only one of them was killed.
- "Your mouth already without light / for my death". Why would a secretary write this on the front page of her diary?
"And you commented on a newspaper report on the same agenda about the police commander who would have ordered the death of a judge, and was caught by the new weapons law, which requires the registration of all the ammunition, to know who the bought.
- Another report said that the majority of Congress received more than 1 million from the arms industry. And you want to change the law.
- Really: it's a lot of coincidence. The girl's boss was the president
of the city council, Marcelo Costa, who accused the mayor of corruption and got his cassation. About the party, you seem to doubt the invasion theory.
- Very weak. The owners of the house, two brothers, claim to have been muzzled and locked in a room while their wives were locked in the bathroom. Why were all the women raped but their wives?
"Do you think the victim might have seen the criminals?" And the "invasion" would be a kind of demonic "birthday present"?
- Yes, it seems. I can not believe I'm talking to my teenage daughter.
"If you've read Conan Doyle, you know about" hereditary tendencies. " I was made for crime.
"He also thought everything was predictable because it was repeated, was not it? The world was stable, and therefore deductible sub quadam aeternitatis specie. They had not yet said, "Change is the system and systems have to change."
"Did you mention a sister on the desk?" You're going to look for her, are not you?
- Yes. Let's go up, five minutes to go.

His sister received him in the apartment where they both lived.
- Do you remember that, last year, the councilman publicly defended a 60% increase for the legislature?
The judiciary had also asked for this. The mayor did not accept and campaigned for the media. Soon after, he was tried for corruption.
- Yeah, I'm aware.
"My sister wanted to get out of the job. I was scared.
"Do you think you heard anything?"
"You must remember that last year, during a four-day police strike, 180 homicides took place. Most of them young, black, drug users from the periphery. The mayor was pushing for investigation.
- Thank you Miss. It's good to have reminders of yesterday.

Helio was excited. They had an ice cream.
"One of them confessed. They killed the girl because she heard their names. They themselves bought the materials to gag and tie the victims in the supermarket in the nearby town. But there is one thing that still intrigues me.
They swear the idea did not come from either of the two brothers. Would it have been a creation of the third man, André Padilha? They were silent. He disappeared.
- I have a theory: please trace that man's cell phone. I'm sure he has involvement with the president of the city council. Has the director of the Homicide Department during the police strike last year said there was a suspicion that 30 murders in the period were committed by police officers. And did he even say that the strike command could have ordered the executions to cause commotion in public opinion? Alderman Marcelo has a history of defending reactionary groups.
- "Your mouth already without light / for my death".
- The rapists have to pay. And when Andrew falls ... It's not the Republic of Bananas, after all. Never doubt the power of art, "Momai laughed, finishing off the chocolate ball.

Afonso Jr. Lima 

sábado, junho 09, 2018

Three scenes from São Paulo (english version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

In one day, three remarkable scenes:
a) I find that my dissertation is quoted in a manuel Federal Council of Psychology.
b) Subway Security Guards hit the man's head.
c) The newspaper owner receives the kiss from the great actress.

My friends invite me to go to an exhibition with them, then to the theater.
I get a message in the morning. That work so long ago, which has not altered my material life at all, is now among the few reference books in a national manual.
I remember at the time a great scientist commenting on the self-destruction promoted by Brazil with it´s science. It's a fight against intelligence. Wrongly wronged. I also remembered James Baldwin.

The man in lowly clothes is chased off the subway. The black guard was beating him like an animal. Two against one. We were scared, no one interfered. I recoil with violence. A black girl begins to yell at him, descends with the security guard to the post saying that he can not do that. He says she should wash some laundry, should make some food. She say to him to wash his underwear. I say: what machismo, but my voice barely leaves. I also do not know how far it goes, even within the subway, on behalf of the institution.

The text is good, the great actress is divine. The small audience vibrates and claps their feet. The author / journalist is a man with almost white hair, surrounded by admirers.

Is this the same man who, being criticized for the partiality of his paper in London, despises the journalist who criticized her as a political activist?

I remember a meeting about film criticism. The film that portrays the coup d'état in 2016 gets a star in a conservative magazine's guide. A young man in the audience make an statment.

- It was a formal criticism, the man answer, not politics I think she did not present both sides.

But it was political: in the interviews the director clarifies that the right wing did not accept to be recorded.

There must be a connection between these scenes and I try to understand what it would be.


Afonso Jr. Lima

Livro: "Declínio e queda do Império Otomano" - de Alan Palmer


terça-feira, maio 22, 2018

Crítica: Melhores filmes - 2016/2017 - Festival Sesc


Três cenas paulistanas

Em um só dia, três cenas marcantes: 
a) Descubro que minha dissertação de mestrado é citada em um manual Conselho Federal de Psicologia. 
b) Segurança do metrô bate na cabeça do homem.
c) O dono de jornal recebe selinho da grande atriz.

Meus amigos me convidam para ir a uma exposição com eles, depois ao teatro. 
Logo de manhã recebo uma mensagem. Aquele trabalho de tanto tempo atrás, que não alterou em nada minha vida material, agora está entre os poucos livros de referência em um manual nacional. 
Lembro na hora de um grande cientista comentando sobre a autodestruição promovida no Brasil com sua ciência. É uma luta contra a inteligência. Preterido injustamente. Lembro também de James Baldwin. 

O homem com roupas humildes é perseguido na saída do metrô. O segurança negro batia nele como se fosse um animal. Dois contra um. Estávamos assustados, ninguém interferiu. Eu recuo com a violência. Uma moça negra começa a gritar com ele, desce com o segurança até o posto dizendo que ele não pode fazer aquilo. Ele diz que ela devia lavar uma roupa, devia fazer uma comida. ela manda ele lavar suas cuecas. Eu digo baixo: que machismo, mas minha voz quase não sai. Eu também não sei até onde ele vai, mesmo dentro do metrô, em nome da instituição. 

O texto é bom, a grande atriz está divina. A pequena plateia vibra e aplaude de pé. O autor/jornalista é um homem de cabelos quase brancos, cercado de admiradores. 
Esse é o mesmo homem que, ao ser criticado pela parcialidade de seu jornal em Londres, despreza a jornalista que fez a crítica chamando-a de militante política? 
Lembro de um encontro sobre crítica de cinema. O filme que retrata o golpe de 2016 recebe uma estrela no guia de uma revista conservadora. Um rapaz da platéia questiona. 
- Foi uma crítica formal, não política acho que ela não apresentou os dois lados. 

Mas era política: nas entrevistas a diretora esclarece que a direita não aceitou ser gravada. 
Deve haver uma conexão entre essas cenas e tento entender qual seria.


Afonso Jr. Lima

quarta-feira, maio 16, 2018

O Experimento

Ficaram escondidos na casa de campo. Acenderam o fogo. Ele serviu dois copos.
- Você acha que vão nos descobrir? - ela perguntou.
- Os espiões estão por todos os lados. Mas... A opinião pública anda desconfiada.
Por que eles decidiram colocar fogo nas fábricas?
Os robôs foram derretendo um a um.
Estavam tentando dar um alerta ao governo de que percebiam que, enquanto as pessoas viviam cada dia com menos dinheiro, os estoques cresciam - acabar com a superprodução.
- Como as pessoas não percebem? Que já estamos numa ditadura? Que isso é um experimento?
- Parece estranho isso, vindo de um membro de uma organização clandestina - ela disse.
- Você sabe, meu irmão é um desaparecido. Faz vinte anos que esperamos um teste de DNA para descobrir se ele é um dos descobertos no cemitério. Não existiu processo contra os torturadores.
O campo parecia vivo com o vento e o clima úmido. Ali perto, o bosque guardava ruínas de um mosteiro que havia sido incendiado por soldados inimigos. Fileira de cabeças cortadas. A lenda dizia que os monges cantavam lamentos quando a tempestade se formava.
Tudo havia sido muito rápido. Um dia, as estruturas pareciam firmes e as instituições fortes. No outro, um grupo de bárbaros tomara legalmente o poder e a oligarquia bancária aliara-se a um tirano.
Ela disse:
- Eles colonizam as colinas, atiradores treinados, a polícia não é confiável, a lei parece depender de cada juiz. Todo mundo vota como se nada estivesse acontecendo. Às vezes eu penso se esse mundo que eu vejo também não é uma construção ficcional.
- Acredite, a realidade está bem diante dos olhos. Cada dia penso mais nos filósofos que falavam de uma "consciência modificada" para interpretar a "falsa opinião".
- O caos é uma arma política - ela disse, e o beijou.

Afonso Jr Lima


In the camp (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

"That the Human Being should Work and suffer and learn and forget and return / To the dark valley from which he came to begin his work again."

I remembered this verse from Blake.
A woman screaming on the sidewalk, throws things in a building, people start walking down the street.
Two strong men, then one more, age old, well dressed, shout at her:

"It's public property, you're going to be arrested, you walk."

I walk one more block, two boys lying in the door of the super-market.
A smell of burning. Instinctively, I look around, a burning dump?
The church seems very normal, a group of people observes something.
A dark mountain of iron, gray clouds.
I continue my journey, I finally decide to arrive in the square. Bang. Fallen rubble in a truck making noise. The whole block sealed off by the police.
Lots of people lying on the floor, lots of things spread out on the floor, tent, mattress, church Our Lady of the Rosary of the Black Men, clutter, the house on the street.

A red-haired man says he knew one of the victims. But it is against Bolsa Familia. He worked and won.
"She wanted to make hair the color of my own." She worked. Too bad the two twins.

One girl says that "these people earn a thousand and our judges earn 45 grand."
- There are people who are registered in housing programs for more than 10 years, man says.
Apparently people were abandoned, they are unprotected. And so many empty real estate.
I think the image is related to a refugee camp. They are the forgotten ones of the earth, they are the people who can no longer be citizens, who flee from the war against drugs or the fire that someone created.


Afonso Jr. Lima

sexta-feira, maio 11, 2018

The efficient sun (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

The sun grew larger, then red. The boy dreamed that from the pile of rubble and smoke came a frightening form. It was a being full of scales, it flew through the smoke, returned and collected in the mouth a piece that he found among the ruins. A priest sang with a choir of angels nearby. The boy counted ten bone fragments. 

The monster came up with a femur. Everything had been gathered on top of a building. An old woman carried a line of children with her flute-a cave beneath the church. 
"My puppies, believe what I say, now and forever." 
The journalists lent their cars to the torturers. 
Student movement screams slogans, gas pumps thrown from windows. Seeds rot under the fire of the eye. Smoke, flames. Bars with bodies, food, cardboard, urine, fabric colors on the doors. How many people were there, people who did not have a home? 

The priest said: "You see the ostrich there? How does he hide his head?"
 A ram was sacrificed at the top of the building. Lightning struck the remains of people. Moist monster flaps its wings, the rebuilt rises. The boy runs to get to his house.

 Afonso Jr Lima

O sol eficiente

O sol ficou maior, depois vermelho. 
O menino sonhou que do monte de escombros e fumaça saía uma forma assustadora. 
Era um ser cheio de escamas, ele voou através da fumaça, voltou e recolheu na boca um pedaço que achou entre as ruínas. 
Um padre cantava com um coro de anjos ali perto. 
O menino contou dez fragmentos ósseos. 
O monstro subiu com um fêmur.
Tudo havia sido reunido no alto de um prédio.
Uma mulher velha trazia com sua flauta uma fila de crianças - entrando embaixo da igreja, uma caverna. 
- Meus cachorrinhos, acreditem no que eu digo, agora e para sempre. 
Os jornalistas entregavam seus carros aos torturadores. Movimento estudantil grita palavras de ordem, bombas de gás jogadas das janelas. Sementes apodrecem sob o fogo do olho. 
Fumaça, chamas. Bares com corpos, comida, papelão, urina, cores de tecidos nas portas. 
Quantas pessoas estavam ali, pessoas que não tinham uma casa?
O padre disse: 
- Você está vendo o avestruz ali? Como ele esconde sua cabeça?
Um carneiro foi sacrificado no alto do prédio. Um raio caiu sobre os restos de gente.
Monstro úmido bate suas asas, o reconstruído levanta. 
O menino corre para chegar até sua casa.

Afonso Jr Lima 

waiting

bad smell, young guy
in the entrancy of metro
no hair in your head
the bells of the church
the helicopters above you
your skin so red
of abandon
if you are dusky
nobody can see
your clothes are rags
waiting for nobody
waiting to die

Afonso Jr Lima

segunda-feira, maio 07, 2018

sobre uma notícia

A falsa impressão de mundo
O foco que altera tudo
Crer que existe apenas isso
A ilusão do eu o comum engano
Invasão de medo e fúria
O todo muda e alimenta

Afonso Jr. Lima

sexta-feira, maio 04, 2018

No campo

"Que o Ser Humano deve Trabalhar e sofrer e aprender e esquecer e voltar/ Ao vale escuro do qual ele veio para começar seus trabalhos de novo".

Lembrei desse verso de Blake.
Uma mulher gritando na calçada, atira coisas num prédio, as pessoas começam a andar pelo meio da rua.
Dois homens fortes, depois mais um, demeia idade, bem vestidos, gritam com ela:

- É patrimônio público, você será presa, vai andando.

Ando mais uma quadra, dois rapazes deitados na porta do super-mercado.
Um cheiro de queimado. Instintivamente, olho ao redor, uma lixeira queimando?
A igreja parece muito normal, um grupo de pessoas observa alguma coisa.
Uma montanha escura de ferro, nuvens cinzentas.
Continuo meu trajeto, acabo decidindo chegar na praça. Estrondo. Caem escombros num caminhão fazendo barulho. A quadra toda isolada pela polícia.
Muita gente jogada no chão, muita coisa espalhada no chão, barraca, colchão, igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, desordem, a casa na rua.

Um homem de cabelo vermelho fala que conhecia uma das vítimas. Mas é contra Bolsa Família. Ele trabalhou e conquistou.
- Ela queria fazer o cabelo da cor do meu. Ela trabalhava. Uma pena os dois gêmeos.

Uma moça fala que "esse pessoal ganha mil e nossos juízes ganham 45 mil".
- Têm pessoas que estão cadastradas em programas habitacionais para mais de 10 anos, o homem diz.
Pelo que parece, as pessoas estavam abandonadas, sem proteção. E tantos imóveis vazios.
Penso que a imagem remete a um campo de refugiados. São os esquecidos da terra, são as pessoas que não podem mais ser cidadãos, que fogem da guerra contra as drogas ou do fogo que alguém criou.

Afonso Jr. Lima





quinta-feira, maio 03, 2018

Minhas namoradinhas - 1871 - versão do poema de Arthur Rimbaud

Um destilado lacrimal lava
os céus verde-oliva
sob a árvore em broto que baba
vosso látex

Branco de luas particulares
de rótulas redondas
nas almofadas em que me ajoelho
minha feia

Nós nos amávamos naquela época
feia azul
comíamos os ovos quentes
na casca

Um dia, me sagraste poeta
loura feia
desce aqui, tenho chicotes
deita no meu colo

Desarrumei tua cabeleira
negra feia
você quebrou meu bandolim
com tua testa

Ah! minhas salivas secas
ruiva feia
infectam as trincheiras
do teu seio

Ó pequenas amantes
eu vos odeio!
algemas dolorosas
mamilos feios

Roubar minhas vasilha antigas
de sentimento;
- pule assim! ser bailarinas
por um momento!

Arthur Rimbaud
- versão Afonso Jr. Lima

Mes petites amoureuses

Un hydrolat lacrymal lave
Les cieux vert-chou
Sous l'arbre tendronnier qui bave,
Vos caoutchoucs

Blancs de lunes particulières
Aux pialats ronds,
Entrechoquez vos genouillères,
Mes laiderons !

Nous nous aimions à cette époque,
Bleu laideron !
On mangeait des oeufs à la coque
Et du mouron !

Un soir, tu me sacras poète,
Blond laideron :
Descends ici, que je te fouette
En mon giron ;

J'ai dégueulé ta bandoline,
Noir laideron ;
Tu couperais ma mandoline
Au fil du front.

Pouah ! mes salives desséchées,
Roux laideron,
Infectent encor les tranchées
De ton sein rond !

Ô mes petites amoureuses,
Que je vous hais !
Plaquez de fouffes douloureuses
Vos tétons laids !





haikai

montanha na noite
o ferro negro
fumaça branca
dormem os mortos

Afonso Jr Lima

quarta-feira, maio 02, 2018

Dance (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)
She came to visit her father's franchise.
She had been invited.
Her mother becomes mad when she heard about it:
- Marta's 13-year-old daughter is pregnant.
At the fair, the father was encouraged, he allowed everything, it seems that he made 80 thousand a day, there were a lot of people, a 15-year-old boy who used to suffer at home, promoter, judge, living it.
"Peace came from our struggle," said his father.
The tents were selling bricks and the police watched in the distance.
They did not want to help the red mayor.
"I told you I do not want you to come here." Today we have judgment.
She knew that the father would take the guys inside the hotels, then the carmen would disappear with the pieces through the city.
He had to leave without saying what he wanted. It was a party. Everyone needs to get away from time to time.

Afonso Jr. Ferreira de Lima

terça-feira, maio 01, 2018

A Paz

com nossas asas manchadas

carregamos os valores da vida

em meio à névoa, cansados e persistentes

carregamos o sopro da vida

com nossas ilusões, com nossa força desconhecida

movemos o mundo para frente

carregamos a luz e a paz

cada criança e cada mulher

cada homem e toda a natureza

a paz feita de pão e teto, a paz da justiça

mesmo que não vençamos agora

carregamos a solidariedade

em meio à escuridão e ao fogo

com nossas asas manchadas


Afonso Jr. Ferreira de Lima

Livro: "A Trégua" - de Mario Benedetti


quinta-feira, abril 26, 2018

O beijo da morte

A solidão de um país, travessia incompleta, a oligarquia não desiste, as comunicações não mudaram, a nação desertificada pelo crime sem castigo, a madrugada traz o fogo e o frio cai sobre o homem anestesiado pelo álcool.

são paulo perigo e progresso

tanto cresce tanto aço luxo

produzido entregue

massa imunda seca vida

você tem fome

ergue esse cartaz

mecanismo silencioso

você mostra o mal

Como dizer isso eu me observo como animal no gelo, na parede da cidade a rachadura, o canto dos soldados, eu tenho que dizer desse grupo mínimo, solto entre engrenagens firmes, no meio da fumaça que nos cega.

solidão da cidade confinada

no templo um canto um gemido vida

aceito o novo acolho estranho

aventuras de medo e sonho

esse menino pensou que iria ler um livro

e a ele olhariam com sorriso amigo

seu pai não sabe o que fazer agora

Agora eu paro em frente a uma confeitaria. Um rapaz tem a camisa rasgada e a calça mais ainda. Eu não posso comprar nada. Eu caminho pelo parque pensando que algo mudou. Um homem parece mudar seu curso. Perdidos, fora da conta. Os olhares são mais sinistros. Eu encurto o exercício.

você teme foi derrotado

perdeu as peles

arte língua a esperança

feroz você animal

leopardos lantejoula e brilho

produz se cria fome o desespero

serpentes da terra buscando respiro

ataque o amanhã é soco

famílias sob fogo policial

Como dizer quando do jovem pobre atrás do balcão foi tirado a capacidade de saber quem é. A lei com seu ódio cada dia muda sua estratégia. A aura de glória usada para fins cruéis. Mas ninguém quer sujas as mãos com um acusado.

ser empresário gana de família pobre

senso comum ser autodestrutivo

no escritório negócios com a vida

recolhe o lixo faz telhado

você não sabe mais

ergue esse cartaz

você tem fome

O escritório de poesias olho o relógio tantos maços de senso comum por hora, tanta bruta injustiça por dia, o horror das instituições, porque linguagem faz tudo que é concreto.

o pano sujo a roupa rasgada

observe a mulher sem sapatos e louca

pensa na rua a jovem que imaginou

bonito filho e paga em dia casa

caça de corpos divas divergentes

A lua acolhe o beijo e o sangue, algum poema disse. Minha função é pensar com o coração. E eu mesmo fico preso nas imagens dos espelhos, eu já não acho o tiro certo que retrata o coração esmagado da tragédia.

luto e ódio porque já não é gente

processo preconceito varre tudo

observe a criança suja a mãe triste

você é meu irmão

você quer mais

você é mais que bicho

ruínas de verso o vento calculado

a alma da cidade que cai desse edifício

Eu ouço a palestra. Eu anoto. Eu ouço o mestre. Eu reflito. Eu anseio em giro interno eu volto. Alguma coisa muito errada segue seu curso. Alguma coisa que esqueceu da sensata incerteza.

pelas ruas surgirão pedintes

entrega rápida encomenda triste

alguma coisa se perdeu no mecanismo

o tradicional ritmo já não serve

evolução sem parada do verso 

observe o jovem sem esperança

Agora a máscara de uma alma exilada, agora a máscara de uma resignada aflição, panorama de horizonte em guerra.

primavera-morte em ebulição

as mãos multidão criada e crescida

método milhares de bocas famintas 

o pomar dos venenos hoje alimentado 

a escuridão ouve mais um grito

A noite avança. Eu me calo. Por que não o silêncio? Acerto os livros. Limpo a estante. Cuido da planta. A eterna angústia de dizer que a história nunca acaba.

silêncios a dor e você

ergue esse cartaz

você mostra nossa alma podre

todos merecem a paz e o progresso

todos merecem dormir em não pedra

tiraram a pele de gente do sem teto

ninguém nasceu para o inferno

a névoa cruel que encobre o pensamento

avenida são paulo o crime arma fria

não tenho metáforas para tua pele cinzenta

nem rima que possa nesse calafrio

onde os amigos a jaula de ouro

É isso que eu sou. Eu ouço as vozes, eu tento a mancha, a veloz sombra se cala. Eu tento telepatia, as lacunas que te fazem ver. A água corre e eu preciso sonhar. Eu sou o ouvido universal. 

a obra segue rompe o ser mutante

o pássaro canta mesmo na gaiola

retalhos de cor e borda um novo dia

minha escrita salta e já não segue a forma

meu coração lembra canção

e fantasia contada ao pé do ouvido

a tribo existe e o sentimento que era

grita a cidade por esses esquecidos 

olhar sedento máfia linha reta

a força bruta lei justiça e letra 

quero ter um riso e um suspiro ainda

um dia a mais de luta desconhecido 

em nome da paz sempre silenciada


Afonso Jr Ferreira de Lima





domingo, abril 22, 2018

a primeira palavra

amor em espera pão da manhã

jardim em chamas hoje

verso buscando esperança

pombas sobre o piano esperam

lobo hesitante com duplo olhar

cortiço ouve a sirene da nova ordem

preso a preconceitos flauta paralisada

rumor de luz afundada dia seco

thriller cinzento tarefa peito silencioso

cães protestam por sangue

passeatas greves um dia comum

quero sentir ainda teu martírio de corpo sujo

da janela lembro do gramado verde

quando éramos inocentes 


Afonso Jr Lima

terça-feira, abril 17, 2018

Livro: "A ilha: um repórter brasileiro no país de Fidel Castro" - de Fernando Morais

Nesse vídeo Afonso Jr. apresenta o livro "A ilha: um repórter brasileiro no país de Fidel Castro - de Fernando Morais".

/

domingo, abril 15, 2018

Buffalo Bill está de volta


um céu púrpura os helicóptero sobre a cabeça

o corpo levado pelo povo

os exércitos descem das nuvens canto de guerra

a praga atingiu o Espírito da Cidade

essa pedra teu sangue por ela caminhos

da nação que morre raízes brotam

a lágrima é o primeiro ingrediente do entendimento

liberdade é um órgão que nenhuma opressão silencia

o monstro rasga a terra era voz não se cala e interrompe

a tempestade flor na correnteza o círculo do céu a treva

salve a coreografia divergente o rastro perfumado

ela dança com seu corpo singular amor

índio olhos verdes lutando a luz nasce

e

eu preciso da coisa concreta música

em círculo no salão branco homens de pedra andam

monstro coisa contrária à natureza rei louco

o absurdo inimigo do povo inocente criança olha o horizonte ruína

seus pais estendidos na terra um homem corre está ferida o fogo vem do céu 

corto com espada a pálida palavra, água verde, deixo o sol entrar

agora essa voz branca, voz da força, guerreiro sem alma

sempre preenche tudo sempre cala inundação

o menino bebe a água suja da calçada

a roupa imunda a mão estendida a noite 

eu monstro como flores e caminho azul-nascer

verso com dragão batalha, vazio e mundo nas mãos

corpos divergentes, o olhar que desmente fraude nos livros explicada

força como lei, amigo da paz amigo do povo na corrente

ódio são os lobos a toga os bárbaros os jornais

o preso observa o horizonte canto resiste em noite escura

o monstro grita a voz não se cala e geme

os soldados estendidos na terra, os soldados cruzes brancas

o sangue na calçada, lavado nasce o dia

sementes largadas no verde círculo do tempo

indestrutível verdade

mulheres dançam no choro as vozes

a madrugada me põe no seu colo

Alejandro: Un día alguien te va a abrazar tan fuerte,

que todas tus partes rotas se juntarán de nuevo 

do céu o ciclo, caminho pelo mar, deixo o sol entrar



Afonso Jr Lima


domingo, abril 08, 2018

Livro: "Os inventores do New Deal" - de Flávio Limoncic


Manuscript on Memory (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

"The relatively short life of tyrannies is due to the inherent weakness of systems that use force without the support of law." (Aristotle)

He found a Manuscript:

- Many inflamed hatreds of young people who were children when the worker was elected.

I was born when it was still a dictatorship. It was not good to have an opinion.

I saw how difficult it was for a mother to support three children and give them education.

But she gave them.

At that time it was very difficult to spend in public college. My dad said, "You were a grade A student and you did not go into the federal one."

And there were international institutions that warned of the danger of spending on the people. We heard politicians say that education cost a lot. Only 3% of Brazilians had a university because life was like this.

Suddenly all my friends came in. That was in 2003. Suddenly, luckily, the godson who could never afford a private school does Administration.

The privilege system is dangerous.

One of the dangers is that the spoiled child becomes authoritarian. Not always the best alternatives are chosen. The ignorant spoiled is not challenged in his certainties, he admits no divergence.

And since he's never questioned, he thinks he can talk any crap. That your speech is always important. That he can attack the divergent in the nets, while it is just a rabid fool.


Meenwhile problems accumulate and excluded people retain fair resentment.

If you live a system of privilege and oppression, you can, for a time, deny reality.

Create your child in a closed condominium, which avoids the violence planned by misery. Today, companies are even owned by shareholders, who do not respond directly to anything other than profit. And the best deal is no deal, papers and suck the state tax.

For a while.

But now I want to talk about the speech. From the danger that is the word without curiosity. From the danger of being involved by arguments sold by powerful and bought by lazy.

Before, dogma was the danger. Even our philosophers, preoccupied with eternal truths, were harsh critics of the truth that could "raise" a proposition above the others.

About one particular candidate, one commentator said that she "had no reading of the world". This is the most serious. While communication companies buy our thinking, consumerism has created a mass of people who think for "still".

And the old elite, who has always known more, has always studied more, has the law on the tip of the tongue and the maid without a signed license, these "opinion formers" have become accustomed to never hear.

Our privileged class has created a sophistical discourse, but it is strengthened and self-nourished in reiterated rhetorical arguments. Hatred has turned into a wave, and no questioning is welcome.

A lot of our economists, journalists and administrators are like this. And suddenly, the house of laws begins to respond to simplistic opinion, the law begins to respond to the wave of anger, the economy itself becomes an opinion based on arrogance. Now we see the danger of letting fear dominate us, the inheritance blind us.

Observing the coverage of large vehicles of communication, we realize that everything revolves around building the image of a villain, and anything that can contradict that image is denied. And so can also make the public officials accountable for tracking processes. Much worse if they are religious and see their carrer as a mission.

Part of our elite should not direct the nation because it does not respect human rights. Watching the channel Jovem Pan is scary. For social killers, who close schools, and children of lazy privilege, who do not know beyond TV, the progressive discourse that includes youth, black women, Indians, gays, descendants of the enslaved, offends. But, the truth wins in the end. We made a constitution in 1988.

I come from a time that was beautiful to be "neutral", to be impartial and diplomatic.

But the neutral is now only for those who have no morals.

Now the young man and the furious old man speak like robots, I can not hear, they are hysterical.

The poor man who thought to be rich, who collaborates with his oppression, thinking that when violence dominates, he will get away with a weapon; the rich who believe himself superior race, the rich unable to perceive the cause of what strikes him, fragmented thought.

Democracy suffocated by the wave of lies. And yet, there is resistance. "I want to invent my own sin," as the musisian Chico Buarque says.

It looks a lot like when people began to demand more of the political system in the early twentieth century. There was no way to ignore the arguments. The solution was advertising.

Society with a mentality of slave owner, the society that was the last to liberate the enslaved, does exactly the opposite of what mass capitalism thought: higher wages for more consumption. Consumption of luxury for few and police and train packed for many.

And, yes, the ignorant masses sometimes dominate everything. Yes, people can be deceived and even see violence as something justified. Because evil is now in do what everybody does. It is lack of discernment.

Looks like they changed the law in 2016 to arrest a person. That our leaders dream is to sell soy and buy things in Miami. And his children go to school there, as in the nineteenth century.

When Justice seems like a party, we live the paradox of an oligarchic-legislative tyranny, the diversity of information is lost, closing schools is the dominant policy, I have hope.

I also saw the young black women taking up the university. I saw the poor raise their heads and have opinions. So I know. I know that everything has a solution.

I come from a time when the worker was elected.

Afonso Jr Lima



sábado, abril 07, 2018

Manuscrito sobre a Memória

"A vida relativamente curta das tiranias se deve à fraqueza inerente dos sistemas que usam a força sem o apoio do direito." (Aristóteles)

Ele encontrou um Manuscrito:

- Muitos ódios inflamados de jovens que eram crianças quando o operário foi eleito.

Eu nasci quando ainda era ditadura. Não era bom ter opinião.

Eu vi o quanto foi difícil para uma mãe sustentar três filhos e lhes dar educação.

Mas ela lhes deu.

Naquela época era muito difícil passar na faculdade pública. Meu pai disse: "Você era aluno nota A e não entrou na federal".

E haviam instituições internacionais que avisavam do perigo dos gastos com o povo. Nós ouvíamos os políticos dizerem que a educação custava muito. Só 3% dos brasileiros tinham universidade porque a vida era assim.

De repente, todos meus amigos entraram. Isso foi em 2003. De repente, por sorte, o afilhado que nunca poderia pagar uma escola privada faz Administração. 

O sistema do privilégio é perigoso.

Um dos perigos é que o filho mimado se torna autoritário. Nem sempre as melhores alternativas são escolhidas. O mimado ignorante não é desafiado em suas certezas, não admite divergência.

E como nunca é questionado, acha que pode falar qualquer porcaria. Que sua fala é sempre importante. Que pode atacar o divergente nas redes, enquanto é só um bobo raivoso. 

Enquanto os problemas se acumulam e as pessoas excluídas guardam o justo ressentimento. 

Se você vive um sistema de privilégio e opressão, pode, por um tempo, negar a realidade. 

Criar seu filho num condomínio fechado, que evita a violência planejada pela miséria. Hoje, as empresas são até propriedade de acionistas, que não respondem diretamente a nada além do lucro. E o melhor negócio é negócio nenhum, papéis e sugar o imposto do Estado. 

Por um tempo. 

Mas agora eu quero falar do discurso. Do perigo que é a palavra sem curiosidade. Do perigo de sermos envolvidos por argumentos vendidos por poderosos e comprados por preguiçosos. 

Antes, o dogma era o perigo. Até nossos filósofos, preocupados com as verdades eternas, foram severos críticos da verdade que pudesse elevar uma proposição. 

Sobre uma determinada candidata, um comentarista disse que ela "não tinha leitura do mundo". Isso é o mais grave. Enquanto empresas de comunicação compram nosso pensamento, o consumismo criou uma massa de pessoas que pensam por still. 

E a velha elite, que sempre soube mais, sempre estudou mais, tem a lei na ponta da língua e a empregada sem carteira assinada, esses "formadores de opinião" se acostumaram a nunca ouvir. 

Nossa classe privilegiada criou um discurso sofístico, mas que se fortalece e auto-alimenta em argumentos retóricos reiterados. O ódio virou uma onda, e nenhum questionamento é bem-vindo.

Boa parte de nossos economistas, jornalistas e administradores são assim. E, de repente, a casa das leis começa a responder à opinião simplista, a lei começa a responder à onda de raiva, a própria economia se torna uma opinião baseada em arrogância. Agora, vemos o perigo de deixar o medo nos dominar, a herança nos cegar.

Observando a cobertura de grandes veículos e comunicação, percebemos que tudo gira em torno de construir a imagem de um vilão, e tudo que pode contradizer essa imagem é negado. E assim também podem fazer os funcionários públicos responsáveis por acompanhar processos.

Parte de nossa elite não pode mesmo dirigir a nação porque não respeita os direitos humanos. Assistir a Jovem Pan dá medo. Para os social killers, que fecham escolas, e filhos do privilégio preguiçosos, que não sabem além da TV, o discurso progressista que inclui jovens, mulheres negras, índios, gays, descendentes dos escravizados, ofende. Agora, a verdade vence no fim. Nós fizemos uma Constituição em 1988.

Eu venho de uma época que era bonito ser "neutro", ser imparcial e diplomático. 

Mas o neutro agora é somente para quem não tem moral.

Agora, o jovem e o homem velho furiosos falam como robôs, não posso ouvir, estão histéricos. 

O pobre que pensou ser rico, que colabora com sua opressão, pensando que, quando a violência dominar, ele vai se safar tendo uma arma; o rico que se achou raça superior, o rico incapaz de perceber a causa do que lhe atinge, pensamento fragmentado.

A democracia sufocada pela onda de mentira. E, ainda assim, há resistência. "Eu quero inventar meu próprio pecado", como diz Chico. 

Parece muito com quando os povos começaram a exigir mais do sistema político no começo do século XX. Não havia mais como ignorar os argumentos. A solução foi a propaganda. 

A sociedade com mentalidade escravocrata, a sociedade que foi a última a libertar os escravizados, faz exatamente o oposto do que o capitalismo de massa pensou: salário maior para mais consumo. Consumo de luxo para poucos e polícia e trem lotado para muitos. 

E, sim, as massas ignorantes às vezes dominam tudo. Sim, os povos podem se enganar e ver até a violência como algo justificado. Porque o mal agora é ir com os outros. É a falta de discernimento. 

Parece que mudaram a lei em 2016 pra prender uma pessoa. Que o sonho de nossos líderes é vender soja e compra coisas em Miami. E seus filhos vão estuda lá, como no século XIX. 

Quando a Justiça parece um partido, vivemos o paradoxo de uma tirania oligárquico-legislativa, a diversidade de informação é perdida, fechar escolas é a política dominante, eu tenho esperança.

Eu vi também as jovens negras tomarem a universidade. Eu vi os pobres levantarem a cabeça e terem opinião. Então eu sei. Eu sei que tudo tem solução. 

Eu venho de um tempo em que o operário foi eleito.

Afonso Jr Lima

domingo, abril 01, 2018

AS TRÊS ÖBIS - romance (trecho)


AS TRÊS ÖBIS

PARTE PRIMEIRA

Os ratos brancos tinham usado todo o Mithan mental que lhes restava para erguer uma muralha de pedras altas ao redor de sua cidade. Mas agora, os guardas , o Demônio e as valquírias avançavam.
Os ratos sentiam forte dor de cabeça (usavam uma rede de fios negros sobre o corpo, com uma cabeça raspada de onde saíam três tranças negras), causada pelas ondas de vibração maléfica desses seres. 
Os guardas, que costumavam pintar com sangue seus corpos com desenhos de dragões e usavam uma tira de couro negro na boca, para representar sua obediência ao Alafim, e usavam a cabeça raspada, de onde saíam, na altura da nuca, amplos cabelos vermelhos. Neles, prendiam ossos de dedos de animais, os guardas erguiam agora com sua força mental enormes árvores milenares do solo, incendiavam-nas e as arremessavam contra a muralha.
As valquírias, armadas de chicotes venenosos, esqueletos humanos da cintura para cima, que acabavam no pescoço, e asas de morcego, acabadas por uma cabeça formada por um cérebro vermelho, e vasos sanguíneos, que usavam na cintura cintos de serpentes, iam agora próximas às muralhas, montadas em seus cavalos alados, para levar terror aos seres frágeis que as podiam observar, e colhiam os seres vivos que rastejavam na terra, para os arremessarem do céu.
O demônio branco de três cabeças, abria a terra com o movimento de sua cauda, e estremecia a terra com seus gritos.
Água deixava de ser propriedade coletiva e passava a ser propriedade dos nobres da terra. 

(continua...) 


Afonso Junior Ferreira de Lima

Porto Alegre, 2005

sexta-feira, março 30, 2018

nullo tempore putrescit (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

Shadows we were. No attic and not even a basement. It was always night inside. In this house, there were at least nine rooms, always yellow lights that created many points of shadow.
The city had been out of electricity for three days. The storm also interrupted the communications of the islands with the mainland.
Who were those four strange women who looked soulless and endowed with incredible intellectual energy?
Why did we seem to sleep all day?
Why did we only serve to do homework and receive "visitors" from time to time?
I could not even tell you how long that had lasted. I tried to watch our position from the windows, but the mist always seemed to bring a gray scenery, neither day nor night. Or maybe it was my mind that had a permanent veil over it. It was like a hallucination that never ended.
"Time depends on where you are" - our servant - practically blind - said once.
One day, or would it be a night?, I would clean one of the bedrooms and find a baby, about three days old, curled up on the bed.
My cry drew the attention of one of the women, who told me only:
- Get out of here. It's a curse you carry for all future generations.
I decided I needed to get out of the house.
I thought about not eating my first food - my bread and tea.
I passed the storage room, full of glasses with animals in the formaldehyde, and I went to the door to the garden.
I opened the door, even though I had always been aware of the danger involved.
I went up the muddy steps to a place where I had already been with the first woman.
It was a kind of greenhouse, covered with a glass ceiling and a net that created shadows. I frightened myself with the servant.
"Look at those plants. They were combined. It's not just with the time they play. These women know how to handle living things for centuries, he told me.
There beside it, many stones sharpened in rows like a plantation. A heavy rain began. It seemed to me to see something on earth. I dug with my hands.
I went back to the house in fear.
The third woman looked at me with hatred and dragged me through the hair. I was placed in a dark, narrow room and stayed there for a long time.
In my dream, a woman showed me a fruit of green bark - she would take her seed with a knife and put a small insect inside. Many bees out of a beehive.
So I get it. They would decimate the whole race.
I woke up to the sound of the door. The servant had opened it, with a candle in his hands,
- Run away now.
I ran as the man set fire to himself to set the house on fire.

Afonso Junior Ferreira de Lima

quinta-feira, março 29, 2018

Trânsito

O Brasil decidiu fechar as fronteiras. Mais de 3 milhões de russos, dinamarqueses, alemães e ingleses haviam chegado desde o “Domingo Branco”, quando Paris chegara a 20 graus negativos.
Há algum tempo atrás a Itália processara a Inglaterra pelo uso do nome “Londres” (de Londinium) e pela “falsa paternidade do futebol”; a China processara a Itália pelo copyright da massa e Bagdá a Europa pelo copyright do Renascimento; foi um passo pequeno até a África requerer direitos de imagem sobre Les demoiselles d´Ávignon.
Por um lado a direita européia dizia que o “mundo em desenvolvimento” não tinha direito aos solos quentes da Terra, agora que o frio se espalhava porque a água doce dos icebergs, aquecidos pela fumaça, acabara com a corrente do Golfo. O governo brasileiro dizia que milhares já haviam imigrado quando das Guerras Mundiais.
As flores e árvores dos jardins escoceses foram engolidas pelo inverno. A imagem de um campo de futebol congelado em Paris passou a circular na rede com o seguinte dizer: “Todos tem direito a um raio de sol.” Um carro bomba explodiu perto do Parlamento onde a Comissão para Imigração Européia se reunia. O salmão, era uma vez, passou a fazer propagandas na Noruega exigindo “tolerância e abertura de fronteiras”.
Grupos de direitos humanos brasileiros começaram a mostrar fotos de meninos jogando na terra, para defender que, num mundo com distâncias tão grandes, receber imigrantes é “imoral”. A Câmera de Comércio Européia ofereceu 2 bilhões de dólares para restaurar cortiços putrefatos em São Paulo, tetos e paredes mofadas, e um plano de “reinserção de moradores de rua”. O clipe da campanha no Tube mostrava multidões caídas, enroladas em cobertores e com potes de plástico para sopa, no cimento da cidade.
Quando as escolas e os transportes entraram em colapso devido ao congelamento, os presidentes da Alemanha, França e Inglaterra vieram ao Brasil, e falou-se em uma ameaça velada de guerra.
Os primeiros imigrantes europeus chegaram na Amazônia em dezembro de 2060. Celebrou-se um jogo amistoso em nome da “a união intercontinental”.

Afonso Jr. Ferreira de Lima - 2010

quinta-feira, março 22, 2018

nullo tempore putrescit

Sombras nós éramos. Nenhum sótão e nem mesmo um porão. Era sempre noite lá dentro. Nessa casa, haviam pelo menos nove quartos, as luzes sempre amarelas que criavam muitos pontos de sombra.
A cidade estava sem luz elétrica há três dias. A tempestade interrompera também as comunicações das ilhas com o continente.
Quem eram aquelas quatro mulheres estranhas, que pareciam sem alma e dotadas de incrível energia intelectual?
Por que nós parecíamos dormir o dia todo?
Por que apenas servíamos para fazer os trabalhos de casa e receber "visitantes" de vez em quando?
Eu nem era capaz de dizer há quanto tempo isso durava. Eu tentava observar pelas janelas nossa posição, mas névoa espeça parecia trazer sempre um cenário cinzento, nem dia nem noite. Ou talvez fosse minha mente que tinha um véu permanente sobre ela. Era como uma alucinação que nunca tinha fim. 
"O tempo depende de onde você está" - nosso servo - praticamente cego - disse, uma vez.
Um dia, ou seria uma noite?, eu limpava um dos quartos e encontrei um bebê, de aproximadamente três dias, enrolado sobre a cama.
Meu grito chamou a atenção de uma das mulheres, que me disse apenas:
- Saia daqui. É uma maldição que você carrega por todas as gerações futuras.
Decidi que precisava sair da casa.
Pensei em não comer meu primeiro alimento - meu pão e chá.
Passei pelo depósito, cheio de vidros com animais no formol, e cheguei até a porta para o jardim.
Abri a porta, mesmo tendo sido sempre avisada do perigo envolvido.
Subi os degraus embarrados até um lugar em que já fora com a primeira mulher. 
Era uma espécie de estufa, coberta de um teto de vidro e uma rede que criava sombras. Assustei-me com o servo.
- Veja essas plantas. Foram combinadas. Não é apenas com o tempo que eles brincam. Essas mulheres sabem manipular as coisas vivas há séculos, ele me disse.
Ali ao lado, muitas pedras afiadas em fileiras como uma plantação. Uma chuva forte começou. Pareceu-me ver algo na terra. Eu cavei com as mãos.
Voltei para a casa assustada.
A terceira mulher olhou-me com ódio e me arrastou pelos cabelos. Fui colocada em um quarto estreito e escuro e lá fiquei por muito tempo.
No meu sonho, uma mulher me mostrava um fruto de casca verde - ela retirava sua semente com uma faca e colocava lá dentro um pequeno inseto. De uma colmeia saiam muitas abelhas. 
Então eu entendi. Iriam dizimar a raça toda. 
Acordei com o barulho da porta. O servo a abrira, com uma vela nas mãos gritou:
- Fuja agora. 
Eu corri, enquanto o homem ateava fogo a si mesmo para incendiar a casa. 

Afonso Junior Ferreira de Lima

quarta-feira, março 21, 2018

Entropy (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

I leave in this personal diary something that will only come to the public perhaps after my death. I do not know what happened, nor how everything had such a precise result. But I must record here what happened. I know how to write.
*
I woke up on my birthday with the gray autumn light. My mother gave me a happy hug, we was going to the caves to do the walk I wanted.
Our slave made the coffee and wished me good luck.
The receptionist at the inn said they were a little afraid, there had been an accident with a memory a few days before. No one knew the cause yet.
The white-bearded man smiled at us.
"There was a time," he said, "in which you engraved your soul on stones and soft surfaces. Now, it's us. What do you want to know about?"
"The origin of the slave corpses," I said.

*
I woke up with a kind of buzzing in my ear, an autumn wind. It took me a while to see what was around me. The walls, the floor, the furniture. I jumped up. Should not I be in the hostel room?
I put on my clothes and went downstairs.
- Mother? This is a dream...
- What my love? - she said.
I went to my room again - unwittingly I broke the eastern vase near the stairs - and looked at my calendar. It was one day before my birthday.

*
The eastern vase was in perfect state.
My father comes to visit me.
"I will not be here in your day."
"Dad, have you heard of an accident with a memory?"
"You need to stop this obsession with the past. It's no use. What produces are the numbers. You will end up in prison as subversive".
Our corpse slave turned on the TV.
- Accident kills a memory on the beach 9-200.
"That did not happen," I said.

*
I ran to the news station.
I explained to half a dozen people that I had a "bomb." Finally I sat in the room of the thin, sickly-looking man.
- There will be an accident on the beach 9-200 tomorrow. You need to cover the event, "I said.
The reporter looked nervous:
"Boy, we're investigating a series of bomb attacks and a kidnapping. Do not come...
- From who?
- A scientist.
I got up and stood at the door.
"It's the ideas, you see? If humans do not have memories, they will be weak." I left thinking about who would want revenge.

*
I woke up four days before my birthday.
Before my mother came into the room, I asked our slave: "Do you hate human beings?"
He looked disturbed.
"Personally, I think you were once a sublime race. You have fallen long after that... Well, you only use images and sounds now."
He turned off the boiling water.
"Do you remember last year, when the corpses staged a petition calling for citizenship?" There was a massacre.

*
I woke up and went to the ruins. A cement building, several leaves with symbols no one could read.
In the yellowed pages, the illustration of a giant with fire. That is it! We need to blow up the conspiracy.
"You must know something, something from your animal intuition, you have to tell me something. The slave revolt will occur" - my slave seemed very frightened.
"If you do not help me, I'll have you put to second death."

Afonso Junior Ferreira de Lima

terça-feira, março 20, 2018

The killer (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

His theory was that each person lived a murderer.
That's how it all started.
Panic gripped the city.
Police began to search for the origin of these creatures who seemed insensitive to any human appeal. Two homeless people beheaded, three children drowned in fetid rivers, three prostitutes hacked to pieces, a politician impaled.
The only one captured was sedated by absolute uncontrol.
Momai was summoned to help, delayed to arrive due to the chaos in the traffic that still persisted two days after a frightening storm.
A search for network systems began; with the help of the hacker JM, searched the comments, messages and emails about these episodes.
One of them said: "Finally leftists and losers will be crushed."
Another: "It was already mimimi, the blindness of the communists will end up in blood."
From a certain date, the change of government, increase the expressions:
leftists get sick
humiliated lefties
lefts dumb
leftists blood

Found on the channel of the biggest conservative youtuber, famous for recording videos in political demonstrations mocking their participants, a comment: "TIF: ended the binge."
In groups of digital fascism and channels of youtubers who distilled hatred under the cover of freedom of expression, the constant interaction of three expressions:

Assault Troop
Combat League
TIF

Messages exchanged by the group WhatsBomba - "TIF General Assault Troop"
"Human rights prevent the arrest of bullies"
"Stopped in traffic because of fire. TIF to bring peace."

JM said:
"It seems that something has freed the groups from a previous containment. The code inherent in this system appears to be violence / repression. The system is organized by the force / morality torque pair. Does anything allow morale to become the force?
JM thought about tracking the data in resonance with "TIF." There was no clue as to what it was.

"Assault Troop" and "Combat League" were expressions used by digital activists for groups of "moral murder" through false reports of alleged Communists. It would seem that "TIF" would be an extreme form of "extermination combat".

The thing seemed to be an urban legend to some extent.
Finally, Momai can enter a hidden site called "Total Instinct Field".
The players remained within stiff walls, there were carcasses of animals and bones everywhere.
"Total Instinct Field" had been created by economist and experimental scientist Cesar Kurt.
"Your experiment allowed you to free the killer in every person," JM said. With a device that shook the brain, it was possible to completely paralyze the instinct containment systems.
The storm generated a crash in the system, there was escape.
Momai watched the city as it listened to "Blue Moon."

Afonso Jr. Fereira de Lima

segunda-feira, março 19, 2018

Entropia

Deixo neste diário algo que só virá à público talvez depois de minha morte. Não sei o que ocorreu e nem como tudo teve um resultado tão preciso. Mas devo registrar aqui o que ocorreu. Eu sei escrever.
*
Acordei no dia do meu aniversário com a luz cinzenta do outono. Minha mãe me deu um abraço toda contente, íamos até as cavernas fazer aquele passeio que eu tanto queria.
Nosso escravo preparou o café e me desejou boa sorte.
O recepcionista da pousada disse que estavam com um pouco de medo, havia ocorrido um acidente com um memória alguns dias antes. Ninguém sabia ainda a causa.
O homem de barbas brancas nos recebeu sorridente.
- Havia um tempo, ele disse, em que se grafava a alma em pedras e superfícies macias. Agora, somos nós. Sobre o que você deseja saber?
- A origem dos cadáveres escravos, eu disse.

*
Acordei com uma espécie de zumbido no ouvido, um vento de outono. Demorei para ver o que estava ao meu redor. As paredes, o chão, os móveis. Levantei com um pulo. Eu não deveria estar no quarto da pousada?
Coloquei minha roupa e desci.
- Mãe? Isso é um sonho?
- O quê meu amor? - ela disse.
Eu fui até meu quarto de novo - sem querer quebrei o vaso oriental perto da escada - e olhei meu calendário. Faltava um dia para meu aniversário.

*
O vaso oriental estava inteiro.
Meu pai chega para me visitar.
- Não poderei estar aqui no seu dia.
- Pai, você ouviu falar de algum acidente com um memória?
- Você precisa parar com essa obsessão com o passado. Não serve pra nada. O que produz são os números. Você vai acabar preso como subversivo.
Nosso escravo cadáver ligou a TV.
- Acidente mata um memória na praia 9-200.
- Isso não aconteceu - eu disse.

*
Eu corri até a estação de notícias.
Expliquei para meia dúzia de pessoas que tinha "uma bomba". Finalmente sentei na sala do homem magro e de aparência doentia.
- Amanhã ocorrerá um acidente na praia 9-200. Vocês precisam cobrir o evento - eu disse.
O repórter parecia nervoso:
- Menino, estamos investigando uma série de atentados com bombas e um sequestro. Não venha...
- De quem?
- Um cientista.
Eu levantei e parei na porta.
- São as ideias, percebe? Se os seres humanos não tiverem lembranças, serão fracos. Saí pensando em quem desejaria vingança.

*
Acordei quatro dias antes de meu aniversário.
Antes de minha mãe chegar na sala, perguntei ao nosso escravo:
 - Vocês odeiam os seres humanos?
Ele pareceu perturbado.
- Pessoalmente, acho que já foram uma raça sublime. Vocês decaíram muito depois que... Bem, vocês usam apenas imagens e sons agora.
Ele desligou a água, que fervia.
- Você lembra ano passado, quando os cadáveres fizeram uma manifestação pedindo direito à cidadania? Houve um massacre.

*
Acordei e fui até as ruínas. Um prédio de cimento, várias folhas com símbolos que ninguém sabia ler.
Nas páginas amareladas, a ilustração de um gigante com fogo. É isso! Precisamos explodir a conspiração.
- Você deve saber algo, algo pela sua intuição animal, você precisa me dizer alguma coisa. A revolta dos escravos vai ocorrer - meu escravo parecia muito assustado.
- Se você não me ajudar vou fazer com que te coloquem em segunda morte.

Afonso Junior Ferreira de Lima

domingo, março 18, 2018

Livro: "101 dias em Bagdá" - de Åsne Seierstad


The bridge (English version)

(This is a rush translation. Version may not be in its final form.)

The general was called to the lab.
He received information from Dr. Alves himself.
He remembered the legend told by the old general. He sent the men to fetch him.

After his death, L. was placed in a sack.
Inside the brass, cement, bottoming in the Tietê river.

The old general went to the wall, opened a safe.
The iron ball seemed inscribed with ancient symbols.
He pressed a kind of button.
The mechanism opened.
- We need a strong magnetic field.

The body on the asphalt in the rain.
He knew he'd seen this before.
He went back to his office. He looked for the files.
The bullet is the same.

"Our best men are dead," said the general. "At that time, the Police and Army had only one tactic. War of low intensity. We knew how to use torture, informants, vigilantes in search of information, neutralizing, disarticulating the opposition. Now, let's get this information again. Einstein-Rosen."

The French agents had studied with the Germans.
In the forest, secret area, they developed their theory.
Von Rotten imagined how to convey information.

- Simulate running over. Throw the body in front of the truck.
I took care of him in the last night.
He knew he would be killed, four agents will kill him in the morning. We can not repent.
The people we fight for are in power.

Von Rotten was walking in the woods with the young officer.
"In theory, two particles created together end up having a connection that seems to ignore the realism of spacetime. A paradox, or classical intuition does not correspond to physical reality. What if two singularities were entangled and separated from each other?

No clothes. Helpless.
"There never was. No rape" - the policeman told the priest.
The bishop went personally to visit the Battalion. He was there.
"After giving the wolf the taste of blood, it will not be civilized."

The ship comes back from Paris.
Algeria was research.
Lessons with foreign teachers.
- He's dangerous. A religious fanatic", the policeman said of the businessman.
He organized groups to fight the war - the strange internal war.

The ancient torturer is now a minister.
Research with the Germans has been shelved.
"We now know that it is possible to send a signal from the present to the past by changing a tangled particle. It would be dangerous for the French people, the minister said.

- Argentines are the worst. They like to learn.
In Chile the information leads to hunting.
The businessman wanted to use torture in his own people.

- I know where it is. The old general went to the wall, opened a safe.
"Von Rotten wanted to send information through space-time to train the men in the colonies. He told us that in the future we would know how to handle the entanglement of particles, causing a connection tube to be created.

Afonso Junior Ferreira de Lima

A ponte

O general foi chamado ao laboratório.
Recebeu as informações do próprio doutor Alves. 
Ele lembrava da lenda contada pelo velho general. Enviou os homens para buscá-lo. 

Depois de morto, L. foi colocado num saco. 
Dentro do latão, cimento, caindo fundo no rio Tietê.

O velho general foi até a parede, abriu um cofre. 
A bola de ferro parecia inscrita com símbolos antigos. 
Ele apertou uma espécie de botão. 
O mecanismo abriu-se. 
- Precisamos de um campo magnético forte. 

O corpo no asfalto sob a chuva. 
Ele sabia que já tinha visto isso antes.
Voltou ao escritório. Procurou os arquivos. 
A bala é a mesma. 

- Nossos melhores homens já morreram - disse o general. Naquela época, Polícia e Exército tinham uma só tática. Guerra de baixa intensidade. Sabíamos como usar tortura, informantes, vigilantes em busca de informação, neutralizando, desarticulando a oposição. Agora, vamos ter essa informação de novo. Einstein-Rosen.

Os agentes franceses haviam estudado com os alemães.
Na floresta, área secreta, desenvolviam sua teoria. 
Von Rotten imaginava como transmitir informação. 

- Simular atropelamento. Jogar o corpo em frente ao caminhão. 
Tomei conta dele na última noite.
Sabia que seria morto, quatro agentes vão matá-lo. Não podemos nos arrepender. 
As pessoas que nós combatemos estão no poder. 

Von Rotten caminhava pela floresta com o jovem oficial.
Em teoria, duas partículas criadas juntas acabam tendo uma ligação que parece ignorar o realismo do espaço-tempo. Um paradoxo, ou a intuição clássica não corresponde à realidade física. E se duas singularidades fossem emaranhadas e separadas uma da outra?

Sem roupa. Indefesa. 
- Nunca houve isso. Estupro não - disse o policial ao padre. 
O bispo foi pessoalmente visitar o Batalhão. Ele estava lá. 
- Depois de dar ao lobo o gosto de sangue, ele não será civilizado. 

O navio volta de Paris. 
A Argélia era pesquisa. 
Aulas com professores estrangeiros.
- Ele é perigoso. Um fanático religioso - disse o policial sobre o empresário. 
Ele organizou grupos para combater a guerra - a estranha guerra interna. 

O antigo torturador agora é ministro.
A pesquisa com os alemães foi arquivada. 
Agora sabemos que é possível enviar um sinal do presente para o passado, alterando uma partícula emaranhada. Seria perigoso para o povo francês, disse o ministro. 

- Os argentinos são os piores. Gostam de aprender. 
No Chile as informações levam à caça. 
O empresário queria usar a tortura no seu próprio povo. 

- Eu sei onde está.  O velho general foi até a parede, abriu um cofre. 
- Von Rotten queria enviar informações pelo espaço-tempo para treinar os homens nas colônias. Ele nos dizia que no futuro saberíamos manejar o emaranhamento de partículas, fazendo com que um tubo-de-conexão se crie.

Afonso Junior Ferreira de Lima