Páginas

domingo, janeiro 30, 2011

Homem que vive na esquina

Homem que vive na esquina

Como você passou hoje?

Qual o seu nome?

Amanhã você estará vivo

Como eu?

Tua roupa rasgada, olhos feridos

um saco de urina, no cimento

Você não sorri há muito tempo

Eu queria saber o que já aconteceu

Sol, multidão, ônibus

Nunca te vi falar

Talvez eu seja lembrança amanhã

E você lembre de minha moeda

Esses metais sem nome

Porque o mundo é cinzento

Se ninguém lhe dá seu eu

Ninguém cura a ferida

Todos nós sairemos daqui

A verdadeira morte é o esquecimento

Tudo que brota da noite é vida.


Afonso Jr. Lima

Nenhum comentário: