Páginas

terça-feira, junho 16, 2015

Nuvens

Os olhos fecham por um instante
sobre o papel
nuvens sonhadas no céu aberto
abre-se da noite o livro

a máquina do crepúsculo corre sirenes
o corpo duro ao lado do sepulcro
frio de outro corpo, e a
multidão que grita
cachorros calculam notas perdidas
o forasteiro toca a pele desconhecida

a seção silenciosa perdeu o chão
papéis voam, lei e
sentença como o mais cruel
inimigo, tudo em ruínas, desaba
escuro tempo longo
até quando?

som e sentido de um bebê que chora
fingir não ver o design da
liberdade
demoníaca
a chuva fria da nova
aurora
na rua

sentado na rua comendo lixo
pela avenida cruzando alucinado
a raça de Caim caída sem fábrica
rosto sujo de carvão e na roupa mercúrio
nem ganhar o pão de cada dia

O edifício extenso
muitas construções baixas se estreitam
invadido pelo mar e destruído
São nuvens vermelhas que o arrastam
O rio regenera comendo cadáveres

Os olhos despertam para outro
sonho o livro da noite
sonhando ontem e amanhã

Afonso Lima

Nenhum comentário: