Páginas

quarta-feira, setembro 02, 2015

na rua

o bater grave da máquina começou cedo
o sol frio, algum vento, ainda assim flores como sangue num caminho de pedras
um animal grita sinfonia impecável, dobro a esquina, pelo chão
restos de casa, panos e tralhas, um homem
ele encosta as nádegas na terra, livre em mundo de ninguém
é um bicho, meu Deus, é um bicho

Afonso Lima

Nenhum comentário: