Páginas

quarta-feira, setembro 13, 2017

A quietude, montanha

Quando eu quis saber o que estava além do mundo das aparências
Deixei correr rio abaixo todos os valores da minha geração
A afirmação de uma coisa tão tênue como o eu dissolveu-se
Quando fui planta e conversei com os insetos
A ganância, a superioridade intelectual, o brilho que ofusca
Seu realismo é para mim hábito e valores podres

Meu sorriso agora procura as rachaduras na verdade mais sedimentada
As mãos que preparam o alimento, a luz do dia que começa
Uma canção cantada distraidamente, o primeiro olhar de uma paixão
O silêncio de uma lápide de cem anos
Aquilo que é opaco, que foge, que diz que ainda não
Caminho por entre galhos, por entre árvores, como fogo e ar

Observo a cidade distante, o vapor cinzento, logo virá a tempestade
Não reconheço nos heróis do meu tempo a beleza que se atribuem
O verdadeiro, o essencial
Sedução outra, meu corpo no espaço e no tempo
Não o pensar como controle
Cada ser da terra importa
A doutrina do abandono desmorona

Alegria que tudo transforma
A fonte brota, a terra úmida
A generosidade dos corpos
Minha chama é mais que uma guerra pequena

Não serei aquilo que não sou
Tudo que é estranho deve viver e regenerar
Sigo meu caminho vazio
Deixei o poder e acolho meus irmãos

Afonso Jr. Ferreira de Lima




Nenhum comentário: