Páginas

quarta-feira, junho 21, 2006

Ana Maria Braga pra presidente

A televisão precisa de otimismo.

Levantar questões polêmicas pode levar a uma reflexão entediante, e pior: pessimismo não vende produtos. Há uma diferença entre otimismo e idiotice: o otimismo significa que, apesar dos problemas, podemos vencer, e é essencial; a idiotice significa que não há problemas.
Alguém já disse que o Brasil é um país de “tapar o sol com a peneira”; é falta de educação ser direto, falar a verdade ou propor uma solução realista. É melhor fingir que se resolve, fingir que se governa, salvar as aparências. Afinal, quem quer se incomodar, quem quer ter de arcar com o peso da confrontação...

Claro, isso significa que nada será resolvido nunca. Significa que os conflitos reais serão aumentados porque ficaram ocultos, e explodirão mais adiante, num presídio qualquer, numa revolta pelas ruas de São Paulo, em um Rio de Janeiro-velho-oeste.

Então, valeu Ana Maria Braga Cassandra:
“O time todo melhora quando sai o Ronaldo, por que continuar insistindo?”
ela, que não trabalha com futebol,teve coragem de dizer o que estamos pensando, morando de medo de uma Argentina apaixonada e até de um Japão samurai. Esporte é força física e clareza mental, e o que significa um título, um passado ou medo de desagradar os torcedores. (Ainda: falcão é o mais sincero, graças a Deus, mas sinceridade parece até antipatia em algumas circunstâncias.)

O medo de “ferir os sentimentos” de Ronaldo, acaba deixando que as coisas sejam feitas por outros motivos que ao o jogo em si. Ele errou até um chute na bola, errou passes, não está bem. Cuidar dos sentimentos dos outros é fundamental para a vida em grupo, mas no Brasil temos a tendência de valorizar não a competência e sim a nobreza, o título, o nome, o poder, e isso impede que haja mudanças positivas e renovação.

Que possamos ser otimistas porque vencemos a nós mesmos, porque não nos acomodamos com a felicidade incompleta.

Ana Maria pra Presidente.

Nenhum comentário: