Páginas

quarta-feira, junho 07, 2006

Direto do país do rugby...

As bolhas de Ronaldo mereceram mais espaço na mídia que todas as emendas (que deverão ser votadas hoje n)do Congresso (se a aristocracia decidir comparecer).
Sorte minha que não participo desse tipo de competição de machos primitivos (Grêêmio! Grêêmio! Nós somos campeões do Muuundo!).

É importante que o Universo saiba que existe pelo menos UM brasileiro que não é fanático por futebol (só resta saber onde está...)
Mas cá entre nós, eu nunca gostei de futebol, nunca gostei de ver futebol, e sinceramente fico pensando sempre o porque metade da programação da TV é futebol: deve ser para fazer a esporticracia, como nos EUA.
*
Caso Von Rischthzswyxssstopirilimpimpim
Hoje no Hoje em Dia da Record, o advogado de defesa foi explicar por que levantou o dedo na cara do Juiz ontem, chamou-o de traidor e se retirou do recinto, tentando impedir o julgamento. (Com certeza ficou com inveja dos advogados dos Cravejados, que pensaram em não ir antes dele...)

Síndrome da elite-nobre:
Minha cara Ana Ricaman, linda, simpática e inteligente; meu caro Edu Guedes, que peguei quando criança, sou amigos dos seus pais, lembra?; sensato promotor e maravilhosos ouvintes...
As mulheres... fazem tudo por amor! (nesse ponto está com os gregos e Justiniano! Valeu a resposta de Ana Ricaman: matar pai e mãe já é demais, né?!)

Eu disse que a testemunha insubstituível poderia ser substituída, mas o juiz me traiu pedindo que seguisse o julgamento já que não era insubstituível...

Claro, como sabemos, o Direito tem lá seus teatros e é uma briga de tigres, todos tentando achar a forma de colocar na boca da lei aquilo que quer dizer, de modo mais natural possível; por outro lado, todos tem direito de defesa, a ainda, se espera que a defesa defenda; mas esse senhor, que quase mandou Ana Ricaman calar a boca, mostrou mais do que isso: os poderosos não estão acostumados a perder no Brasil.

OS: (Observação suspeita) olha um anexo do Jornal Global reclamando sobre
A não transmissão ao vivo do julgamento: Nos Estados Unidos isso fez com que os americanos tomassem consciência dos seus direitos! Que argumento heim? Nada a ver com transformar o crime em show, não mesmo...

Nenhum comentário: