Páginas

sábado, julho 08, 2006

Vale a pena lembrar que o executivo aprovou aumento para os funcionários públicos e que o Senado estendeu aos aposentados, sabendo da impossibilidade, para transformar o ganho eleitoral em perda... e o povo...


PREVIDÊNCIA OS APOSENTADOS COMO MUNIÇÃO
Mino Carta
http://www.cartacapital.com.br/

O Senado aprova um aumento de 16% para os inativos. O ônus do veto caberá ao presidente Lula. O ano, sabe-se, é de eleições O Senado Federal aprovou, na terça-feira 4, um aumento de 16,67% para os aposentados e pensionistas que recebem acima de um salário mínimo.

O presidente Lula já comunicou que vetará o reajuste. Tal reposição, se sancionada, significaria 7 bilhões de reais adicionais no rombo da Previdência, que ultrapassaria 50 bilhões de reais neste ano. É a irresponsabilidade de sempre, acentuada pelo clima que já se respira em Brasília: os senadores da oposição vão explorar a valer o veto presidencial nas campanhas eleitorais.

O Executivo vai tentar obter o apoio da Câmara para aprovar a Medida Provisória 291, que fixa em 5% o reajuste dos inativos. É de bom-tom ressaltar ainda que, pela atual legislação, a reposição seria menor, de 3,14%, referente ao acumulado do INPC desde o último aumento. Estes são os fatos. Não deixa de ser curioso notar que os mesmos jornais que deram manchete para o provável veto de Lula abrigam editorialistas e articulistas que continuarão a martelar que é preciso dar um basta nos gastos do governo.

Que a Previdência é um poço sem fundo, uma conta que não fecha. Se não fecha, se é mesmo um suicídio fiscal, as primeiras páginas deveriam refletir os motivos do Executivo para o veto. Quanto aos políticos, poderiam apresentar propostas claras sobre o que fazer com o atual sistema previdenciário, como solucionar seu desequilíbrio. Como buscar um Estado, ainda que mínimo, de bem-estar social.

Nenhum comentário: