Páginas

quinta-feira, abril 19, 2007

A forma errada de resolver um problema


Entradas sejam reforçadas, com guardas de segurança e detectores de metais: impossível ou eficaz nos centros educacionais que tentaram a medida.
Longas filas de espera para assistir as aulas, guardas com pouca formação, que muitas vezes são agressivos, maior sentimento de hostilidade.
Presença de seguranças quase decorativa.

Será que o fim da proibição do porte de armas de fogo, como sugeriu a "Liga da Defesa dos Cidadãos da Virginia" seria mais eficaz? Duvido...
O fato é que nosso assasino tem um manifesto.

- "Tão logo ele começou a ler, toda a turma começou a rir, a apontar para ele e a dizer, 'volte para a China"

-"Só existiam alguns que realmente perseguiam ele, eram maus, derrubavam ele no chão e riam"

-"Ele realmente não falava bem o inglês e eles faziam piadas."

Não seria o caso de se perguntar por que motivo os estudantes são tão infelizes?
Não seria preciso tentar evitar a competição, incentivar um convívio igualitário, tentar aproximar os "diferentes" numa sociedade cada vez mais multicultural?
Seria preciso rever a ética individualista e/ou dos grupos por classe?
Não, melhor mais estereótipos...

Zbigniew Brzezinski, ex assessor de Carter para Assuntos de Sugurança Nacional, em 1997 já recomendava:

"uma ameaça exterior direta de proporções verdadeiramente maciças e escancaradas". (Gore Vidal, 2002)

Lembremo-nos do "manifesto" dos intelectuais europeus, entre eles Salman Rushdie, segundo o qual

"O islamismo é uma ideologia reacionária que mata a igualdade, a liberdade e o secularismo em qualquer lugar onde está presente"...

Há quem discorde:
"A lógica desses críticos é que os americanos primeiro incentivaram governos ditatoriais seculares, que por sua vez sufocaram a oposição. Agora que os americanos começam a forçar essas mesmas nações a promover uma abertura política, o único movimento que sobreviveu com força para reagir foi o religioso."

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2006/02/060224_islamismoocidenters.shtml

Nenhum comentário: