Páginas

domingo, maio 06, 2012


Porto Alegre – cena teatral 



Um homem soterrado por uma montanha de livros, somente com a cabeça de fora. O cenário representa uma cidade alemã em miniatura, com trens e montanhas. Muitos objetos fálicos em madeira e pedra ficam no chão, onde tem terra e estão os atuantes.
Um mapa de São Petersburgo é projetado.

OFF: Algumas cidades têm uma ligação muito forte com a água.
Neva.
Homem: Eu nasci dia 27, num hospital chamado Femina. Homem. Não estava na cidade sua avó. Meu pai acabara de chegar de viagem, a gravidez de minha mãe foi um pouco solitária. Sua mãe tinha um bom emprego, vinha do interior, e perdera o pai há pouco.

OFF: Um parque famoso. Um passeio de barco. Uma Catedral. O museu orgulhoso. Jacarandás floridos. Galpões e cavalos. Filosofia. Arte contemporânea. Nudez e crueldade. Palas Athena verde na praça. Blues. O Mercado. Dois poetas no bronze.

Um homem amarrado em camisa de força grita enquanto se diz o texto.

Atuante 1 – Mario traduziu Proust. Lya traduziu Virgínia. Marcelo traduziu Marx e Kafka. Donaldo traduziu Homero, Heráclito, Joyce e Sófocles. Jesus traduziu Deus.

OFF: Um gaúcho com os pés na terra. Vento. Raízes profundas. O sol no domingo nas árvores do parque. Calor infernal. Pássaros com frio e vamos ao cinema. As casas antigas, o calçamento de pedra.

Parente: Você tem de ganhar dinheiro.
Atuante 2 - Os italianos ficaram perdidos na selva.
Professora: Falta leitura. Você não tem concentração.
Atuante 3 – Os alemães fizeram a Disneylândia da Bavária. Founde e cinema.
Ator: Você é filósofo, muito cabeção. “Foi a razão que me perdeu”.
Atuante 4 – Existem, sim, nordestinos, eles trouxeram o charque. Ninguém se lembra.
Professor: Meu amigo, você com quinze anos... Antes dos trinta, ninguém escreve literatura...
Parente: Você tem de ganhar dinheiro. Um elefante preso pela pata.
Atuante 1 – No mercado Municipal se encontra todos os artigos para rituais africanos, tem aqueles colares dos orixás que os turistas adoram.
Homem: É a única cidade brasileira onde todos são europeus.

OFF: HOMENS FAMOSOS – fotos de estátuas de cemitério em um mosaico mutante.
Homem – Eu coloquei a primeira flor no caixão do grande poeta.
Atuante 2 – A maior romancista leu seus textos e disse que “gostou imensamente”. Nunca mais falou com ele.
Homem – Andei uma quadra e meia com o Cyro, um telefonema na convalescença, ele faleceu em 1995, uma semana depois.
Atuante 3 – 17 emais e duas orelhas de livro com o imortal. Lágrimas.

Atuante: Em “Le tout Paris”, de Charles Castellani, se pode ver antes de tudo a Ópera, símbolo da cidade moderna; o boulevard des Capucines, o Café de la Paix, a avenue de l´Opéra, o Louvre, o Grand Hôtel; as carruagens, as cartolas, as barbas, as bengalas, os vestidos, as belas lâmpadas públicas; os poetas, os pintores, os escritores, os cavalos, os atores, os músicos e as celebridades que o público adora; emfim, tudo se pode ver, pesquisar e saber, como convém à nossa era científica.

Homem: Consumidores de notícias. Consumidores de cultura. Consumidores de inteligência. Consumidores de gaúchos. Nenhuma paciência para gênios.

Música ao vivo: jazz. A música não permite a compreensão plena, o texto é projetado com “delay”.
OFF: Aquela foto terrível de um soldado negro degolando prisoneiros.
Dançarino: Eu sou um personagem. Eu sou o bailarino negro que trabalha de barman na boate chamada “Doce Vício”.
Judeu: Sou um marceneiro, judeu polonês, cheguei no Bom Fim em 1934.
Oficial: Eu sou o militar de “perfil grego” que ofendo as pessoas chamando-as de comunistas!
Roqueiro: Dezoito, faço educação física, gosto de mangás e tenho uma banda de rock que canta em francês.
A música para.
Homem: Acabo de encontrar uma lata de leite condensado no armário. Foda-se o trânsito, os terroristas e o vazamento no banheiro. Orgulho.
A música volta.
Militante: Marxista. Vim para o Fórum Social, casei com uma gaúcha, trabalho na periferia numa ONG.
Estudante: Minha avó foi uma índia laçada, presa no laço, eu estudo ikeana no centro cultural japonês. Coleciono fotos de Hiroshima.
Filósofo: A relação entre Levinas e a Lebenswelt de Husserl e a Lebensform de Wittgenstein. Também coleciono objetos eróticos da antiguidade.
Psicanalista: Eu sou a psicanalista da serra gaúcha, que casou com um hindu e converteu-se ao islamismo.
Poeta: Poeta. Fico no banco da velha praça sem querer ser incomodado.

Homem: Totalmente civilizados. Totalmente educados. Totalmente objetivos. Totalmente elegantes. Totalmente belos. Totalmente trabalhando. Totalmente criativos. Totalmente globalizados. Totalmente um sucesso.

OFF: MORTES – projeção, idem.
Homem – 2000 - A mulher que me criou.
Atuante 2 – 2001 – Grande amor perdido 1.
Atuante 3 – 2003 – Grande emprego perdido.
Atuante 4 – 2004 – Grande amor perdido 2.
Homem: 2005 – Minha avó, morta.
2006 – Vazio encontrado.
OFF: 2007 - Cidade perdida.

Música. Homem sai debaixo dos livros. São projetadas fotos do mar.

Homem: A estrela mais brilhante se chama Antares. Ela guiou os navegantes. Não é a mais brilhante de todas. Mas, com ela, se poderia fazer dez sóis. Dizem que Antares é habitada por três tipos de seres: guerreiros, homens vermelhos com espadas em fogo; sábios gregos, que filosofam entre as colunas; e os rebeldes, que tem sangue e são invisíveis.

Projeções de um eclipse. 

Afonso Lima


Licença Creative Commons
O trabalho Porto Alegre de Afonso Jr. Ferreira de Lima foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://afonsojunior.blogspot.com/.

Nenhum comentário: