Páginas

quinta-feira, fevereiro 11, 2016

na rua

hoje os anjos abriram suas asas
se consolam uns aos outros
a cidade não tem tempo para crises metafísicas
nós estávamos nas ruas
batuque

meu preto hoje não vai trabalhar
gravata, sapato marrom
é o dia de ser pornográfico
como drummond
inteligente meu preto
sabe da minha fome
hoje, minha pele mastiga
seu prêmio no meu seio
a palavra secreta

molhados pelo cordão
meu preto de chapéu
mãe oxum mandou chover
a cidade despertou

dia de nada luz
preguiça na cama macia
meu preto deixa o livro
é na pele que se sabe o coração

Afonso Lima


Nenhum comentário: