Páginas

sábado, março 19, 2016

Sereias

o que é um poema
num dia como hoje
meu verso é desfazer
as trevas
com as armas que eu tenho
que eu não aceite tudo
que eu queira cuidar do mundo
que eu possa aceitar meus erros

eu renego o acordo
renego a certeza, segurança da isenção
renego tua lei que não é justiça
o poder do verbo empalhado
renego o verde e amarelo de fachada
quebro o decoro, grito pelo direito
de seguir o rio
de uma nova beleza inimaginada
impossível mar

o que é um poema
quando meu povo ainda rima com miséria
ainda na rua, ainda, esmola e
em pedra fria na grande cidade
apanhando da polícia
vendo a lei levá-lo à prisão injustamente
e sai lentamente dessa lama
ouvindo o escárnio dos velhos senhores

o que é um poema
sem uma posição e minha sede
novas palavras, de vida para todos
eu invoco a força de Pagu
eu invoco a força da floresta
toda a utopia que não se realizou
esperança sem trabalho é loucura
e o oposto é tolice

o que é um poema
num dia como hoje
em que damos as mãos cheios de esperanças
e sonhamos sonhos conquistados lentamente

o samba não pode morrer
o fruto tem que explodir
não quero o canto da sereia
outra nossa amizade na dança
quero aliança, as flores da matemática
quero a revolução da cabeça

Afonso Lima

Nenhum comentário: