Páginas

segunda-feira, junho 27, 2016

desumanos

Os ossos não enterrados
Tudo à velocidade da luz
Quero isolar minha mente
Para sentir tua dor e aquecer
Os nobres aceitam a morte

Morto ou vivo passam por ele
Terra desolada sonho descontínuo
Horror da escuridão a mente
Minhas mãos frias

Instintos nunca restringidos
Linguagem fluxo de mitos
Os anjos caíram a noite gélida
A alma seca pedra cinza

O osso sobre a madeira
A neve e o vento
Aqueço num gesto de loucura
Teu olhar assustado

Afonso Lima


Nenhum comentário: