Páginas

quinta-feira, agosto 18, 2016

o mundo sem livros

no meu tempo tão sem amor
a escrita inexistente
caminha pelas ruas

naquele mundo sem dúvida
os sebos e o deslizar da alma
toma o café a escrita inexistente

circula nas livrarias
abre um livro ao sol
detetive de biblioteca

o mesmo tempo que a fez inexistir
por ela clama e a sustenta
letra por letra
no desejo de descobrir-se
outro


Afonso Lima

Nenhum comentário: