Páginas

sexta-feira, setembro 16, 2016

Ser tão ainda

Esse infindo sertão
de misérias de terra e luta
a plumagem e o romano
a máquina e o pássaro

Aqui a mulher com filho
No rio mergulha a criança

Luta de terra e gente
fronteira de quase vida
caminho seco e chicote
de golpe em golpe rendido

Aqui a mulher chorosa
deixa sua esperança

africano, judeu, japonês
com sotaque de alemão
santo de outro progresso
e acabou em revolução

No fundo do rio mortal
dorme o anjo sem mais sofrer

tragédia grega sem garbo
sonho de mar ausente
um rio que avança e inverte
fronteira moendo a gente

Afonso Lima






Nenhum comentário: