Páginas

quarta-feira, setembro 17, 2014

Montanha


Não posso apagar
Não sou espelho nem retrato
O poeta machucado quase morto
É soco
Não posso fugir
para as montanhas
o sonho tem que correr ruas
labirintos não podem
esquecer o ser tão frágil
meu cavalo com asas
pudesse ser verso livre
talvez fosse rarefeito
das lágrimas dos infelizes
Não posso fugir
para as montanhas
o sonho muda nos dias
e a noite é necessária
aos pássaros cansados

Afonso Lima

Nenhum comentário: