Páginas

domingo, novembro 29, 2015

Um muro

Antes, havia a restrição de não se aproximar do muro. Havia cercas e havia o bosque proibido, tiros e alarmes que soavam colocando as pombas desavisadas em pânico. Agora ninguém parecia disposto a alimentar uma pomba velha. Estava com frio e sua liberdade não ajudava. Então era assim? Os que estão bem estão bem porque combateram com mais coragem, foram mais fortes? Se tudo for difícil, os ganhadores ganharam. Ele não podia evitar a sensação de que alguém barrava seu caminho, de que podia ser muito mais, voar muito mais se tivesse um vento favorável. Encolhida perto da calçada, lembrava dos dias em que tinha comida, entregava mensagens para os ditadores. Agora os prédios estavam vazios, os homens pareciam marginais, as crianças não saíam de casa, não era seguro. A pomba fechou os olhos. 
Afonso Lima

Nenhum comentário: